segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Clipe do projeto Velhas Virgens EU TOCO ROCK!!!

Hear´n Aid, a versão do metal de We Are the World .


Por Fábio P. Gomes
Colecionador
Rattlehead Brasil

Tem muita gente que não sabe que depois do “Do They Know It's Christmas" inglês e do "We Are the World" americano, quarenta artistas de heavy metal e hard rock dos anos oitenta se reuniram nos estúdios da A&M para participar de um projeto chamado
Hear´n Aid, gravando uma música “Stars” em benefício às crianças carentes da África.

O LP, que além da faixa citada acima tinha também diversas músicas de outras bandas, juntamente com o vídeo com o making of das gravações, teve toda a receita arrecada com suas vendas repassada para ações que combatiam a fome na África.

A música “Stars”, carro chefe do trabalho, é uma belíssima composição de sete minutos de duração escrita por Ronnie James Dio, Vivian Campbell (guitarrista da banda de Dio na época, atualmente no Def Leppard) e Jimmy Bain (baixista com passagens pelo Dio e Rainbow). O projeto
Hear´n Aid conseguiu angariar 1 milhão em um ano, segundo dados da página no My Space de Dio.

Tudo começou com Jimmy Bain e Vivian Campbell percebendo a escassez de representação heavy metal na ajuda mundial. Observando o sucesso dos já mencionados "Do They Know It´s Christmas" e "We Are the World" eles levaram a ideia até Dio, que prontamente a aceitou, decidindo criar um projeto similar mas apenas com integrantes da cena heavy metal e hard rock. Juntos então prosseguiram a composição da canção.

O disco, de acordo com Dio, deveria ter sido prontamente lançado já em 1985, só que devido a problemas diversos de contrato e burocracia das gravadoras para liberarem os artistas o álbum acabou saindo apenas em 1986, o que diminuiu um pouco seu impacto na mídia.

Existiu uma segunda música projeto, chamada “Children of the Night”, para ajudar um programa de crianças desaparecidas, projeto este que Dio já estava envolvido há anos. Esta faixa se chamaria “Throw Away Children”, no entanto, por diversos problemas, a ideia nunca saiu do papel e a canção acabou indo para o álbum
Killing the Dragon, lançado por Dio em 2002.

Nos vocais principais: Eric Bloom (Blue Öyster Cult), Ronnie James Dio (Dio), Don Dokken (Dokken), Kevin DuBrow (Quiet Riot), Rob Halford (Judas Priest), Dave Meniketti (Y&T), Paul Shortino (Rough Cutt) e Geoff Tate (Queensrÿche).

Backing vocais: Tommy Aldridge (Ozzy Osbourne), Dave Alford (Rough Cutt), Carmine Appice (Vanilla Fudge/King Kobra), Vinny Appice (Dio), Jimmy Bain (Dio), Frankie Banali (Quiet Riot), Mick Brown (Dokken), Vivian Campbell (Dio), Carlos Cavazo (Quiet Riot), Amir Derakh (Rough Cutt), Buck Dharma (Blue Öyster Cult), Brad Gillis (Night Ranger), Craig Goldy (Giuffria), Chris Hager (Rough Cutt), Chris Holmes (W.A.S.P.), Blackie Lawless (W.A.S.P.), George Lynch (Dokken), Yngwie Malmsteen, Mick Mars (Mötley Crüe), Michael McKean (David St. Hubbins of Spinal Tap), Dave Murray (Iron Maiden), Vince Neil (Mötley Crüe), Ted Nugent, Eddie Ojeda (Twisted Sister), Jeff Pilson (Dokken), Rudy Sarzo (Quiet Riot), Claude Schnell (Dio), Neal Schon (Journey), Harry Shearer (Derek Smalls of Spinal Tap), Mark Stein (Vanilla Fudge) e Matt Thorr (Rough Cutt).

As guitarras solo ficaram com Vivian Campbell (Dio), Carlos Cavazo (Quiet Riot), Buck Dharma (Blue Öyster Cult), Brad Gillis (Night Ranger), Craig Goldy (Giuffria), George Lynch (Dokken), Yngwie Malmsteen, Eddie Ojeda (Twisted Sister) e Neal Schon (Journey).

As bases com a dupla Dave Murray e Adrian Smith (Iron Maiden).

No baixo Jimmy Bain (Dio), na bateria Vinny Appice (Dio) e Frankie Banali (Quiet Riot) e os teclados Claude Schnell (Dio).

No LP as músicas estão distribuídas da seguinte forma:

Lado A:
1. Hear 'N Aid - Stars (extended version) (*)
2. Accept - Up to the Limit (live)
3. Motorhead - On the Road (live)
4. Rush - Distant Early Warning (live)

Lado B:
1. Kiss - Heaven's On Fire (live)
2. Jimi Hendrix - Can You See Me (esta música não tinha sido lançada até então)
3. Dio - Hungry For Heaven (live)
4. Y&T - Go For the Throat
5. Scorpions - The Zoo (live)

Pra matar a saudade, ou para quem ainda não conhece, aí vai o clipe maneiríssimo de “Stars”:


Sammy Hagar quer dirigir Guns’N'Roses.


Durante uma entrevista no blog ‘Attention Deficit Delirium‘, Sammy Hagar (ex-Van Halen e atual vocalista do Chickenfoot) ofereceu-se para promover a reunião da formação clássica doGuns’N'Roses.
“A quantidade de dinheiro que els podem fazer se voltarem, fizerem uma grande gravação e uma turnê pelo mundoserá provavelmente tão grande quanto os Rolling Stones”, disse Hagar. E completou:  “Euiria gerir a banda, para ter certeza que todos os promotores estariam fazendo as coisas certas. Eles poderiam ser a maior banda do mundo, se quisessem”.

Bono Vox diz estar preocupado com o futuro da banda.


Bono Vox, vocalista do U2, em entrevista a Revista Rolling Stone, disse estar preocupado com o futuro da banda no atual cenário musical.
“Não sei se o futuro já não se esgotou”, disse Bono, que alegou entrar em atrito com a banda quando toca no assunto. Disse que teria ficado feliz se a banda tivesse encerrado suas atividades no álbum “No Line On The Horizon”, lançado em 2009. Porém, após trabalharem recentemente na remasterização do ábum “Achtung Baby” de 1991, acha que a banda seguirá em frente.

domingo, 30 de outubro de 2011

Chickenfoot acerta no peso e mais ainda na melodia em novo álbum.


Por falta de um, agora temos dois álbuns do Chickenfoot em versão nacional e mais barata. E nada como um álbum de alta qualidade para desintoxicar em relação ao decepcionante e previsível Rock in Rio, festival recehado de atrações ruins e de quinto escalão em nome de uma suposta pluralidade e diversidade cultural.

Graças à Hellion Records, selo paulista que também é loja de música na Galeria do Rock, em São Paulo, os dois álbuns chegam às prateleiras com preço em torno de R$ 30.
O lançamento de “Chickenfoot III” era um dos mais aguardados do ano, depois de ois anos de hibernação da superbanda formada por Joe Satriani (guitarra), Sammy Hagar (vocal e guitarra), Michael Anthony (baixo) e Chad Smith (bateria, que também toca no Red Hot Chili Peppers).
O que era uma reunião de amigos para fazer um um som gostoso e pesado de transformou em um sucesso imprevisto, que obrigou todos os integrantes a refazerem suas agendas e mudar seus destinos musicais.
Capa de "Chickenfoot", o álbum de estreia
“Até que demorou para que todo mundo conseguisse se acertar após o final da turnê norte-americana, que ocorreu no começo de 2010. As agendas pessoais foram cumpridas e só entramos em estúdio quando todos estivessem livres e focados no novo álbum”, disse Satriani ao site Blabbermouth.
O resultado é que o novo álbum é realmente mais focado e menos “zoeiro”, ou menos “descompromissado”. A fórmula inicial prevalece – um hard rock festeiro, rápido e pesado -, mas agora a pegada é outra: diminuem as remissões óbvias ao Van Halen (que dominavam o primeiro, “Chickenfoot”, graças à influência de Anthony e Hagar, ex-integrantes do gigante dos irmãos Eddie e Alex Van Halen) e direcionam o som para uma linha que nos leva aos ecos da primeira fase do Led Zeppelin.
O imenso sucesso do primeiro álbum jogou uma repsonsabilidade grande para o quarteto, que não esperavam o estouro da “brincadeira”. O bom humor está lá, com letras sacanas e bem sacadas, mas o instrumental está mais polido e trabalhado, revelando uma esperada e necessária maturidade. O clima de jam e de encontro de amigos evoluiu para uma reunião de pesos pesados do rock e todo mundo saiu ganhando.
A piada sobre o nome do segundo CD – “Chickenfoot III”, sendo que não existe um “II” – resume bem o que é o novo álbum. “É tão bom que parece que pulamos do primeiro álbum direto para o terceiro”, disse Sammy Hagar a uma emissora de rádio da Califórnia.

Capa de "Chickenfoot III"
E é isso mesmo. É tão bom que superou a ótima estreia, quebrando tudo logo na abertura, “Last Temptation”, um rock poderoso e ganchudo, com acento pop na medida para mostrar a que veio o quarteto, assim como “Big Foot”. “Lighten Up” e “Alright Alright” transitam facilmente entre Led Zeppelin, Deep Purple e Van Halen, mais aceleradas e divertidas, enquanto que “Up Next” traz um peso até então inédito na carreira de todoas os integrantes, flertando com o heavy metal.
“Three and a Half Letters” também aposta no peso e deixa um pouco de lado a festa para investi em um lado mais sério, assim como a bela e energética ”No Change”. O blues aparece em diversas formas e velocidades em ”Something Going Wrong” e “Dubai Blues”. Different Evil” desacelera e mostra como uma balada hard pode beirar uma obra-prima.
Desnecessário dizer que “Chickenfoot III” se trata de um forte candidato a melhor álbum de rock do ano.

Metallica começa a trabalhar em novo álbum.



O baixista do Metallica, Rob Trujillo, divulgou esta semana que o Metallica está atualmente trabalhando em seu próximo álbum.
“Nós temos trabalhadoi em algumas músicas novas nas últimas semanas. O processo de composição para o novo álbum do Metallica começou. Temos ido ao estúdio com Rick Rubin [produtor] (…) e iremos gravar durante o ano que vem”, disse Trujillo.
No próximo dia 1º de novembro a banda lançará o disco ‘Lulu’, em parceria com o músico Lou Reed.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Alice Cooper participará de novo filme de Johnny Depp.


Alice Cooper atuará no novo filme de Johnny Depp. Em Dark Shadows, o lendário cantor interpretará a si próprio. O filme terá temática vampiresca.
 alice cooper dark shadows

Anette Olzon, vocalista do Nightwish, divulga nova prévia de single.

Anette Olzon, vocalista do Nigthwish, divulgou em seu blog oficial que a prévia de Storytime liberada ontem foi removida pela gravadora Nuclear Blast, e disponibilizou uma nova prévia, um vídeo teaser oficial e também o site onde já está sendo vendido o single.




http://anetteolzon-nightwish.blogspot.com/2011/10/storytime-snippets.html

Banda holandesa Within Temptation confirma retorno ao Brasil.

A produtora Dark Dimensions acaba de confirmar o retorno da banda holandesa Within Temptation ao Brasil. O grupo, que se encontra em turnê de divulgação de seu mais recente álbum The Unforgiving, se apresentará no dia 11 de fevereiro de 2012, no Espaço Victory. Até o momento apenas o show de São Paulo foi confirmado.




Data: 11 de fevereiro de 2012 (sábado)
Local: Espaço Victory (Rua Major Angelo Zanchi, 825 - Penha - Ao lado da estação de Metrô)
Horário: 20h30 (abertura da casa às 18:30)

Ingressos à venda na loja online da Dark Dimensions:
http://darkdimensions.webstorelw.com.br

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Faltam poucos dias para o megashow do Aerosmith no Anhembi, em SP.

O Aerosmith, maior banda de rock americana volta ao Brasil para um único show no país, em São Paulo, na Arena Anhembi, dia 30 de outubro. Em sua quarta passagem por terras brasileiras, o quinteto formado por Steven Tyler nos vocais, Joe Perry na guitarra solo, Brad Whitford na guitarra base, Tom Hamilton no baixo e Joey Kramer na bateria, promete um mega show e, mesmo após mais de 30 anos de estrada, não demonstram o menor sinal de cansaço. A realização do show é da TIME FOR FUN.




Todos os ingressos de Pista Premium estão esgotados e há pouquíssimos ingressos disponíveis na pista, que podem ser adquiridos nas bilheterias oficiais (Credicard Hall e, no dia do show, no portão 26 do Anhembi) pelo site www.ticketsforfun.com.br, telefone 4003-0848 (válido para todo o País), pontos de venda espalhados pelo país.



Vale lembrar ainda que, por motivo de saúde do vocalista Steven Tyler, o show da banda no Paraguai, que aconteceria dia 25/10, foi reagendado para hoje (26/10). Porém, os shows de Buenos Aires (28/10) e em São Paulo (30/10) não sofrerão alteração.



Veja abaixo informações importantes para o público no dia do show

ARENA ANHEMBI –SÃO PAULO – 30/10/2011 (DOMINGO)

Realização: TIME FOR FUN

Data: Única apresentação no dia 30 de outubro (domingo)

Local: Arena Anhembi – Av. Olavo Fontoura, 1.209, - Santana – São Paulo - SP

Capacidade: 35.000 pessoas

Site para informações: www.t4f.com.br

Abertura dos portões – 15h

Horário do show – 20h

PREÇOS DOS INGRESSOS

INTEIRA

½ ENTRADA

PISTA

R$220,00

R$110,00

PISTA PREMIUM (ESGOTADA)

R$500,00

R$250,00



Serviço de Alimentos e Bebidas: Tendas e Bares distribuídos nos Anéis do Estádio onde serão vendidos sanduíches, água, refrigerante, cerveja.

Objetos Proibidos:
- Correntes e Cinturões
- Garrafas Plásticas
- Bebidas Alcoólicas
- Substâncias Tóxicas
- Fogos de Artifício
- Inflamáveis em geral
- Objetos que possam causar ferimentos
- Armas de Fogo
- Copos de Vidro
- Frutas Inteiras
- Latas de Alumínio
- Guarda-Chuva
- Jornais e Revistas, Bandeiras e Faixas
- Capacetes de motos e similares
- Vidros em geral



É permitida a entrada com:
- Sanduíches
- Bolachas
- Copos Descartáveis
- Frutas Cortadas



É permitido a entrada e o uso de máquinas fotográficas amadoras. É proibida a entrada de máquinas fotográficas profissionais.



É proibido a entrada e o uso de Filmadoras.



Banheiros: Serão disponibilizados banheiros químicos (masculinos e femininos), distribuídos em diversos pontos no local do show; além dos banheiros já existentes na Arena Anhembi.



Sinalização: A CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) apoiará na logística, orientação e sinalização do trânsito local. Mais informações serão divulgadas no site http://www.cetsp.com.br/.

Chaves vira game do Nintendo Wii.

A série de TV mexicana Chaves, exibida no Brasil pelo canal SBT, vai virar game para o console Wii, da Nintendo. Ainda sem nome oficial, o jogo está sendo desenvolvido pela Kaxan Games, Slang e a Televisa Home Entertainment, detentora dos direitos pelo personagem criado por Roberto Bolaños em 1971. O game deve chegar às lojas no primeiro trimestre de 2012.




"Está para sair um jogo de Wii que gira ao redor da vizinhança do Chaves" declarou Gómez Fernández, filho de Roberto Bolaños, em seu Twitter. "É um projeto muito importante e muito grande para nós. O desenvolvimento levou vários anos, pois é um processo muito complexo de produção."

Inspirado na série animada de Chaves, criada em 2006, o jogo não deve ter a personagem Chiquinha, por problemas de direitos autorais entre Bolaños e María Antonieta de las Nieves, atriz que interpretava a personagem na série.

Com estilo semelhante ao dos games da série Mario Party, o jogo de Chaves deve incluir 25 minigames, numa disputa para até quatro jogadores simultâneos em formato de competição. O jogo será ambientado em uma feira de um povoado mágico. Entre os personagens jogáveis, estão Chaves, Kiko, Pops e Nhonho.

Slash mijão, Axl cagueta.

Axl Rose andou conversando com alguns fãs na passagem do Guns N' Roses pelo Paraguai. Na ocasião, o frontman, mostrando-se simpático, ainda tirou uma onda com Slash, o ex-guitarrista da banda. As informações são do site do semanário britânico NME.

Comentando os bastidores do auge do grupo no final dos anos 80, Rose brincou que toda vez que Slash levava uma garota no backstage, acabava ficando tão bêbado que fazia xixi na calça – e o vocalista, pouco malandro, acabava ficando com a moçoila. “Eu sempre ficava perto do Slash porque eu sabia que ele ia capotar e eu acabaria pegando a menina”, brincou. Veja abaixo:


Vale lembrar que a dupla não se fala direito há, pelo menos, 10 anos, e é difícil que tais revelações signifiquem uma melhora no relacionamento entre Axl e Slash e uma possível reunião do Guns com a formação original.

Queen planeja CD com músicas cantadas por Freddie Mercury.

O Queen planeja lançar um novo álbum usando antigas gravações que fizeram com o vocalista Freddie Mercury, morto em 1991. As informações são do site GigWise.


O guitarrista Brian May disse que está procurando em "gavetas antigas" gravações inéditas de Mercury. Além disso, ele planeja um musical inspirado na banda.
"Queremos um novo musical para seguir We Will Rock You. As músicas estão lá. É só questão de tempo para achar a produção certa", opinou May.
Vale lembrar que, entre as muitas novidades, está a presença de Lady Gaga como novo membro do grupo. A diva pop aceitou se juntar aos integrantes de Queen para um especial de TV, que reunirá muitos músicos, de diferentes estilos, para cantar os clássicos da banda.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

CD da Semana Lou Reed & Metallica - Lulu!!!

"Lulu", projeto colaborativo entre Lou Reed e Metallica, foi disponibilizado na íntegra para streaming nesta quinta-feira (20). O álbum pode ser ouvido gratuitamente no site www.loureedmetallica.com.


Baseado em uma peça de Frank Wedekind, "Lulu" será lançado oficialmente em 31 de outubro. A banda de metal e o ex Velvet Underground já haviam liberado teasers do disco, e lançaram a faixa "The View" em 27 de setembro.

Lou Reed falou que o álbum com o Metallica "é talvez a melhor coisa feita por qualquer pessoa". Recentemente, os membros do Metallica Kirk Hammett e James Hetfield afirmaram que as letras de Reed para o disco os fizeram chorar.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Saxon em Curitiba: todas as informações do show 23/10.

A banda britânica de Heavy Metal Saxon está no Brasil e se prepara para o show inédito em Curitiba, no dia 23 de outubro, no Master Hall. Os ingressos para o show do Saxon estão à venda pelo site www.diskingressos.com.br e na bilheteria do local, e custam a partir de R$ 94. A banda se apresenta também em São Paulo e Fortaleza.


O Saxon apareceu no fim dos anos 1970 e fez parte do movimento New Wave of British Heavy Metal, cujo filho mais ilustre foi o Iron Maiden. Assim como o Iron, o Saxon é um quinteto com duas guitarras (influência de Wishbone Ash e Judas Priest), técnica e velocidade, e letras que falavam sobre curtir a vida (“Strong Arm of the Law”), o mundo heavy metal (“Heavy Metal Thunder”), momentos históricos de um passado distante (“Crusader”) e sérios temas reais, como a morte de John Kennedy (“Dallas 1 P.M.”), ou possíveis, como a pane aérea de 747 (“Strangers in the Night”).

Formada originalmente por Biff Byford (Vocal) e Paul Quinn (Guitarra) a banda incorporou ainda, ao longo dos anos Doug Scarratt (Guitarra), Nibbs Carter (Baixo) e Nigel Glockler (Bateria). Este último tendo três passagens pela banda e retornando definitivamente em 2005. Eles apresentam a tour "Call to Arms" na América do Sul e Europa, depois de uma passagem bem recebida pelos Estados Unidos.

Confira o provável setlist:

Hammer of the Gods
Heavy Metal Thunder
Never Surrender
Chasing the Bullet
Motorcycle Man
Back in '79
And the Bands Played On
Battalions of Steel
Call to Arms
Dallas 1 PM
Rock 'n' Roll Gypsy
Mists of Avalon
Battle Cry
When Doomsday Comes (Hybrid Theory)
Denim and Leather
20,000 Ft
Ride Like the Wind
(Christopher Cross cover)
Wheels of Steel
Encore:
Crusader
747 (Strangers in the Night)
Guitar Solo
Power and the Glory
Encore 2:
Bass Solo
Strong Arm of the Law
Princess of the Night

Lars Ulrich compara gravação de 'Lulu' com 'O Exorcista'.

O baterista do Metallica, Lars Ulrich, comparou a gravação de Lulu, feito em parceira com Lou Reed, com o clássico filme de terror O Exorcista. As informações são do site da revista NME.


"Eu estou revigorado com quão incrível o disco ficou. Lou entrou no estúdio e em sete segundos depois minha cabeça estava girando como a de Linda Blair em O Exorcista. Foi tão impulsivo que vou levar anos para entender o que aconteceu", disse o músico para o jornal The Guardian.
Lulu é baseado na ópera homônima do dramaturgo alemão Frank Wedekind sobre a vida de uma dançarina de cabaré, escrito em 1913.
Lou Reed também contou que o álbum com o Metallica foi o melhor trabalho que ele já compôs. "Quando eu finalmente ouvi o disco pronto, eu fiquei bastante aturdido. Isso é o melhor que minha escrita consegue chegar. Às vezes eu o acho tão sentimental que eu tenho que levantar e desligá-lo", disse o cantor.
Lulu já está disponível para audição no oficial do disco, loureedmetallica.com.

Prestes a lançar álbum, Coldplay diz que suas músicas são "uma droga".

Modéstia é realmente com o Coldplay. Os integrantes da banda, que se preparam para lançar o novo álbum Mylo Xyloto, nesta segunda-feira (24), disse em entrevista ao site NME que suas músicas "são um droga".


De acordo com o vocalista Chris Martin, as únicas músicas boas do CD (que eles acham) são Charlie Brown e Princess of China, esta em parceria com Rihanna. "Esperamos mais de um ano para criar coragem e convidá-la. Rihanna tem uma voz incrivel. Quando escutei a música, pensei: 'uau, que som diferente'. Foi perfeito".

Em entrevista, Liam Gallagher cogita volta do Oasis em 2015.

Em turnê com a banda Beady Eye, que tocará no Planeta Terra Festival deste ano, o ex-Oasis Liam Gallagher disse nessa quinta (20) à revista Rolling Stones considerar uma reconciliação com o irmão Noel para reunir a banda em 2015, ano do aniversário de 20 anos do grupo.


"Em 2015, se pudermos deixar nossas diferenças de lado, podemos sair em uma turnê com o Oasis para tocar nossas músicas antigas e comemorar os 20 anos da banda", disse Liam que ressaltou que para isso basta que haja respeito entre os dois.
Ainda segundo a Rolling Stones, em entrevista a uma rádio britânica em agosto deste ano, Noel Gallagher também considerou a volta do grupo, disse que 2015 seria uma ótima data e ainda deixou no ar a possibilidade do Oasis lançar um novo albúm na ocasião.
Apesar dos irmãos estarem há um bom tempo sem se falar, Liam ressaltou a importância dessa distância e disse estar gostando que Noel siga em carreira solo e perceba que não pode ser tão bom assim sozinho. "Acredito que ele precisa desse tempo, e eu também não estou desesperado. Se não for possível voltarmos, tudo bem. Estou feliz com o Beady Eye", completou o músico britânico.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Novo álbum do Scorpions.


Foi disponibilizado no site Scorpions Brasil 30 segundos de cada faixa do álbum de regravações que será lançado em novembro.
 scorpions
Confira aqui.

Filho de Bruce Dickinson lança primeiro álbum de sua banda, Rise to Remain.

A nova sensação do metal na Inglaterra, Rise to Remain, a banda de Austin Dickinson, filho do vocalista do Iron Maiden, Bruce Dickinson, lança seu disco de estréia City Of Vultures para os fãs do estilo. Com riffs explosivos, guitarras virtuosas, uma batida vigorosa e arrojada, este é o som do Rise to Remain, revelação no Reino Unido, fazendo valer sua pretensão, em grande estilo, ao trono do metal. O grupo lançou o novo single, intitulado This Day Is Mine, em 19 de setembro, que tem como característica uma batida estrondosa. Ouça aqui.




Com uma rápida expansão e um crescente exército de seguidores no Facebook, Rise to Remain tem roubado a cena em shows e conquistado cada vez mais pessoas onde vão. A revista Kerrang!, especializada em rock, incluiu Austin Dickinson na edição Greatest Living Rock Stars (maiores rock stars vivos) afirmando que o filho de Bruce Dickinson está surgindo como um frontman surpreendente.



Em seu novo site, os fãs podem, entre outras coisas, ouvir trechos de todas as músicas do álbum com a letra completa.



www.risetoremain.com

www.emi.com.br

Integrantes do Coldplay viram elefantes de pelúcia no clipe de 'Paradise'.

A uma semana do lançamento de seu quinto disco de estúdio, Mylo Xyloto, o Coldplay estreou nesta quarta-feira o clipe do single Paradise, no qual os integrantes da banda britânica, sem mostrar o rosto, se fantasiaram de elefantes de pelúcia.


O Coldplay publicou o novo vídeo, dirigido por Mat Whitecross e filmado entre Londres e África do Sul, em seu canal oficial no YouTube. As imagens abusam do surrealismo para narrar a volta ao lar de um elefante antropomórfico.
Violinos, um órgão de igreja e ritmos de sintetizador se juntam para dar forma a Paradise, segundo single de Mylo Xyloto, depois de Every Teardrop Is A Waterfall.
Tudo parece indicar que Chris Martin e seus companheiros repetirão com este álbum o sucesso do anterior, Viva La Vida Or Death And All His Friends (2008), principalmente após o esgotamento em minutos das entradas para o show de apresentação de Mylo Xyloto que acontecerá em Madri no dia 26 de outubro.

Evanescence volta a liderar paradas nos EUA.

A premiada banda de rock gótico Evanescence alcançou na quarta-feira a liderança da parada Billboard 200 com seu novo álbum, também chamado Evanescence.


O trabalho vendeu 127 mil cópias na primeira semana pós-lançamento, segundo dados da Nielsen SoundScan. É a segunda vez que a banda lidera essa lista - o álbum de estreia, The Open Door (2006), também ficou em primeiro, vendendo 447 mil cópias na primeira semana.
What You Want, música de trabalho do novo disco, passou de 15º para 13º lugar na lista das canções de rock mais tocadas, segundo a Billboard.
Clear As Day, álbum de estreia de Scotty McCreery, vencedor do programa de calouros American Idol, caiu do primeiro para o quarto lugar na semana Billboard 200.
A britânica Adele se manteve na segunda colocação com seu 21, e os roqueiros do Five Finger Death Punch entraram na parada no terceiro lugar, com seu trabalho American Capitalist.
O Evanescence, da vocalista Amy Lee, está atualmente numa turnê por 15 cidades dos EUA, terminando no dia 1o em Nova York.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Livro de Steven Tyler deve se transformar em filme em breve.

O frontman do Aerosmith, Steven Tyler, disse ao jornal Women’s Wear Daily que espera ver sua vida contada na telona em um future próximo.


Quando perguntado se há planos para uma cinebiografia baseada em seu recentemente lançado livro de memórias Does The Noise In My Head Bother You?, Tyler declarou: “Tão breve o avião pouse, ou enquanto eu estiver vivo. Eu acho que Ron Howard comprou meu livro, porque a produtora dele está pensando em fazer algo.”

Ele ainda emendou: “Meu livro se chama Does The Noise In My Head Bother You? e é construído a partir de pensamentos coletados. Toda essa porra. Eu tenho pensado nisso faz 40 anos. Toda essa coisa com o Aerosmith foi a realização de um sonho. É como se tudo tivesse sido tramado e escrito antes. Toda vez que algo acontece, eu penso, ‘Isso é um filme?’”

Epica começa gravações de vocais de seu novo disco, quinto da carreira.


A banda de metal sinfônico holandesa Epica está no momento gravando seu quinto álbum no Gate Studio, em Wolfsburg, Alemanha, sob o olhar atento de Sascha Paeth, para ser lançado em 9 de março de 2012 via Nuclea Blast Records.


O guitarrista/vocalista Mark Jansen comentou: “As gravações dos vocais começaram! Essa noite, eu gravei os guturais da música de abertura do novo álbum.

”Após uma viagem de quatro horas e meia, Ariën (van Weesenbeek, drums) e eu chegamos no estúdio às 22 horas. Ainda estávamos cheios de energia e decidimos começar a gravar imediatamente. Amanhã, Simone (Simons, vocais) também chegará para que continuemos com as gravações dos vocais.

”As gravações em geral estão indo muito bem e o resultado está do jeito que nós queríamos. Sabemos que a pressão está bem grande depois de Design Your Universe, mas estamos confiantes de que o novo álbum vai superar as expectativas.”

Uma festa de lançamento do novo álbum do Epica acontecerá em 16 de março de 2012, na casa de shows 013, em Tilburg, Holanda.

A banda comentou: “Pelo fato de nossa apresentação do CD anterior [Design Your Universe no Paradiso, em Amsterdã] ter se esgotado com antecedência, nós decidimos fazer a próxima apresentação em uma casa de show um pouco maior.”

O Epica tocará o novo álbum na íntegra, junto com algumas faixas antigas, durante o evento de mais de duas horas de duração. Pirotecnia e elementos especiais também farão parte do show.

This Is The Time, o último single do Epica, foi lançado digitalmente em 15 de outubro de 2010. Um videoclipe para a música, que foi composta para a o Fundo Mundial para a Vida Selvagem (WWF em inglês), foi filmado em março de 2010 em Hilversum, Holanda.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

DIA DO METAL: evento com grandes nomes do metal nacional.

1º METAL BRASIL

O Heavy Metal Brasileiro já está unido. E você?



Dia 06 de novembro irá acontecer um dos eventos mais esperados do ano, onde conhecidos nomes do Heavy Metal nacional estarão se apresentando, pela primeira vez juntos, em prol da união e valorização da cena. As apresentações serão realizadas no Carioca Club em São Paulo. Essa primeira edição será dedicada ao Power Metal e a grande festa contará com a participação de nomes de peso como: SHAMAN, ALMAH, HANGAR, WIZARD, NANDO FERNADES e HIBRIA.

A caminhada que teve início no começo desse ano, pelo vocalista e produtor Thiago Bianchi, tendo como um dos objetivos a criação de uma data oficial para o Heavy Metal brasileiro, já conta com o apoio de diversos simpatizantes com a causa, inclusive artistas como o vocalista da banda STRESS, banda esta que serviu de inspiração para a escolha do dia 13 de novembro, que pretende ser a data oficial para a comemoração do Heavy Metal aqui no Brasil.

E agora é a vez de continuar essa luta, além de curtir os shows previstos para a noite, o evento contará com o recolhimento de assinaturas dos interessados em apoiar a oficialização da data.

Então, se você se interessou pela idéia e vai querer dar uma conferida nesse evento único, os ingressos estarão disponíveis no site TicketBrasil.




Ticket Brasil: http://ticketbrasi.lojatemporaria.com/dia-do-metal-carioca-club

Links relacionados: http://www.metalprolbrasil.com.br/

Para mais informações: www.snowman.com.br/metalbrasil

Local: Carioca Club

Endereço: Rua Cardeal Arcoverde, 2899, Pinheiros, São Paulo

Horário: 16 horas abertura do portão

Venda Online: Ticket Brasil

Demais postos de venda confira em: http://ticketbrasi.lojatemporaria.com/dia-do-metal-carioca-club





Bandas:

http://www.thiagobianchi.com.br/

http://www.shamanofficial.com.br/

http://www.almah.com.br/

http://www.hibria.com/

http://nandofernandesvocal.blogspot.com/

http://www.hangar.mus.br/

Show inédito dos Rolling Stones e documentário de Ozzy Osbourne chegam aos cinemas.

Chega aos cinemas a partir do final de outubro um show inédito dos Rolling Stones apresentando seu disco Some Girls em 1978 e um documentário, também inédito, de Ozzy Osbourne, God Bless Ozzy Osbourne. Os filmes serão exibidos pela rede de cinema UCI.


God Bless Ozzy Osbourne documenta a vida de excessos e loucuras de Ozzy, com espaço para depoimentos inéditos de nomes como Paul McCartney. A estreia acontece no dia 29 de outubro, às 21h.

A apresentação de Some Girls, um dos discos mais famosos dos Stones, foi gravada no Texas e remasterizada em alta definição, especialmente para cinemas. “Miss You”, “Honky Tonk Woman” e “Brown Sugar” fazem parte do setlist da apresentação, que estreia nos dias 11 e 12 de novembro, às 21h.

Para mais informações sobre o filme, a programação e os cinemas da rede UCI clique aqui.

CD da Semana Ozzy Osbourne - Black Rain!!!


Black Rain is the title of Ozzy Osbourne's ninth studio album, released 22 May 2007 on Epic Records.It is also the last album to feature Zakk Wylde and Mike Bordin. The album went Gold in the US and has sold over 1,000,000 copies worldwide.

History

This album featured a new musical style for him and was his first album to feature elements of industrial metal, such as Civilize the Universe, and thrash metal, such as 11 Silver.[citation needed] Though his lyrical style remained similar to before, the album featured many elements not seen in previous albums, such as distorted vocals, heavier guitars, and the higher usage of synthesizers. The latter may be because of the fact that this is the first album not to feature a keyboardist in Osbourne's backup band, and guitarist Zakk Wylde filled the spot for the album, and sometimes chose to add a keyboard solo to a song rather than a guitar solo.
The album was released in several different versions. The original US version was released in a thin, brown digipak with the crowned skull Ozzy Osbourne logo (pictured lower right), and for the rest of the world, it was released in a standard jewel case featuring cover art of Osbourne with "Black Rain" falling (pictured right). This cover included a booklet complete with lyrics and album credits. The US version did not include a booklet, lyrics, or album credits. The Japanese release was the same as the other releases outside of the US, except for the fact that it included two bonus tracks, "I Can't Save You," and "Nightmare." The iTunes release of the album included the aforementioned "Nightmare," plus an exclusive bonus track, (only for those who preordered through iTunes) "Love to Hate." It also included a printable pdf file of the booklet, complete with lyrics and album credits. This same booklet was later made available as a free pdf download from Osbourne's website on 1 June. The song "I Don't Wanna Stop" was also featured as the theme song for WWE Judgment Day 2007.

Releases

In the US, limited edition copies of the album were sold, with special codes inside of the packets. The codes were for a pair of OzzFest 2007 tickets. OzzFest 2007 was nicknamed "Freefest" because all tickets were free.
The album was reissued in the US on 14 August in a new jewel-case package containing the full booklet with lyrics and new colour cover art and photos, also containing CD extra bonus content featuring behind-the-scenes footage from the "Black Rain" photo shoot.
A "tour edition" version of the album was released on 20 November 2007. This release includes an extra CD with 3 recently recorded live tracks and 3 studio tracks originally available on international releases and/or digital versions.

Track listing

No. Title Writer(s) Length
1. "Not Going Away" Ozzy Osbourne, Zakk Wylde, Kevin Churko 4:32
2. "I Don't Wanna Stop" Osbourne, Wylde, Churko 3:59
3. "Black Rain" Osbourne, Wylde, Churko 4:42
4. "Lay Your World on Me" Osbourne, Wylde, Churko 4:16
5. "The Almighty Dollar" Osbourne, Churko 6:57
6. "11 Silver" Osbourne, Wylde, Churko 3:42
7. "Civilize the Universe" Osbourne, Wylde, Churko 4:43
8. "Here for You" Osbourne, Wylde, Churko 4:37
9. "Countdown's Begun" Osbourne, Wylde, Churko 4:53
10. "Trap Door" Osbourne, Churko 4:03

Elvis Presley in Concert vem ao Brasil em 2012.

O show Elvis Presley in Concert vem ao Brasil em 2012, ano em que completam-se 35 anos da morte do Rei do Rock, morto em 1977. As apresentações ocorrerão em Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. Paralelamente, também está prevista a primeira exposição de Elvis fora dos EUA, com mais de mil pertences do músico, como carros, roupas e vídeos inéditos.



A elaboração do Elvis Presley in Concert tem como base uma apresentação ao vivo com a banda de apoio dos anos 70 do cantor, acompanhada de um telão de Led projetando a imagem do cantor e sua voz, remasterizada especialmente para a apresentação. Há momentos de interação no show, como quando Elvis chama, um a um, o nome dos integrantes de sua banda.

O Elvis Presley in Concert e a exposição acontecem pouco após o Dia das Mães, em maio. Local, preços, e datas dos shows ainda não foram divulgados.

Lars Ulrich diz se arrepender de não participar de 'Kill Bill'.

O baterista do Metallica, Lars Ulrich, revelou que teve a chance de compor a trilha sonora do filme Kill Bill, mas recusou a proposta. "Foi o maior erro que cometi", disse. As informações são do site NME.


Ulrich disse que conheceu Quentin Tarantino, diretor do longa, em um jantar em São Francisco, e o cineasta teria contado que escreveu uma série de cenas de luta de Kill Bill pensando nas músicas do Metallica.
A princípio, o músico ficou animado. "Foi surreal ver Quentin Tarantino na minha frente, super animado, explicando em detalhes como ele crigou e coreografou as principais cenas de luta do filme pensando em casnções como Enter Sandman e Sad But True, afirmou Ulrich à revista Newsweek.
Ao receber o roteiro, porém, o baterista mudou de ideia. "Era pesado, denso. Percebi que a maioria das coisas que ele havia escrito estava fora da minha compreensão. Eu não conseguiria reunir, como na narrativa, elementos de cultura estrangeira, artes marciais, mitos asiático", afirmou Ulrich, que é dinamarquês.
Atualmente, ele considera que não tomou a decisão correta. "Foi o maior erro que cometi no departamento criativo".

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Brian Wilson regrava “Bare Necessities”, de Mogli - O Menino Lobo.

Quando a Disney sondou Brian Wilson a respeito de fazer um disco de músicas de filmes clássicos da Disney, ele mergulhou de cabeça. "Eu disse ‘adoraria fazer!’", ele conta à Rolling Stone EUA. "Enlouqueci."


O resultado é In the Key of Disney (que sai no dia 25 de outubro), uma coleção de faixas de filmes como O Rei Leão, Toy Story, A Pequena Sereia e, o favorito de Wilson, Pinóquio. Como os fãs podem ouvir por eles mesmos nesta versão de “Bare Necessities”, de Mogli - O Menino Lobo, em que Wilson reinterpreta a faixa no estilo Tin Pan Alley, ele levou muito dele próprio para canções bastante conhecidas.

"Tentei aplicar o jeito dos Beach Boys – uma mistura de Beach Boys e Disney" Wilson diz. A combinação de duas referências da cultura pop norte-americana se une lindamente em músicas como "Baby Mine", de Dumbo, um doo-wop que lembra "In My Room", do Beach Boys.

Dito isso, regravar músicas reconhecidas por gerações (que originalmente acompanhavam desenhos) foi um desafio mesmo para um gênio juramentado do pop. "Quando escuto, fico pensando ‘como raios conseguimos dar conta do recado?’”, ele diz.

Stone Roses volta à ativa.

O grupo britânico Stone Roses deve voltar à ativa nos próximos dias, conforme noticiaram nesta sexta, 14, os sites da revista britânica Clash e o tabloide The Sun. Uma coletiva para imprensa está marcada para a próxima terça, 18, com o intuito de anunciar uma turnê em 2012.



Ícone da cena madchester, que trouxe à tona no fim dos anos 80 nomes como Happy Mondays e Charlatans, o Stone Roses foi formado em 1983 pelo vocalista Ian Brown e o guitarrista John Squire, completando a formação posteriormente com o baixista Mani e o baterista Reni. Dois discos foram lançados durante o período de existência da banda, Stone Roses (1989) e Second Coming (1994), que continham canções como "Made of Stone", "I Wanna Be Adored" e "Love Spreads", que influenciaram o movimento britpop do início dos anos 90, com Oasis, Blur e The Verve, entre outros.

"Foram uns meses difíceis até conseguir arranjar tudo", disse uma fonte ao The Sun. "Mas agora todos os rapazes estão sorrindo novamente". Segundo o site, um renomado promotor de eventos teria convencido o grupo a retornar para uma turnê em 2012. Atualmente, o baixista Mani faz parte do grupo Primal Scream e Ian Brown segue em carreira solo, sendo My Way (2009) seu álbum mais recente. O guitarrista John Squire lançou seu último disco, Marshall's House, em 2004.

Green Day quer Robert Pattinson para estrelar 'American Idiot'.

O Green Day está de olho no ator Robert Pattinson para protagonizar a adaptação cinematográfica do musical American Idiot, segundo o site da revista NME. O filme será baseado no disco homônimo da banda, lançado em 2004.


Perguntado sobre quem o vocalista Billie Joe Armstrong gostaria de ver no papel principal, ele respondeu: "falaria aquele garoto do Crepúsculo. Ele é um grande ator e há muito mais vindo dele".
Coordenado por Tom Hanks em colaboração com a banda, o filme está atualmente em pré-produção, com potenciais atores sendo nomeados. American Idiot será provavelmente dirigido por Michael Mayer, que também comandou o musical na Broadway.
O filme deve chegar aos cinemas em 2013.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Rodolfo Abrantes diz: “O vocalista dos Raimundos morreu aos 27 anos”

No último mês de maio, em um pequeno palco sob uma tenda em uma rua residencial da cidade de Araucária, Paraná, Rodolfo Abrantes era o convidado especial do aniversário da Igreja Bola de Neve local. Enquanto o Raimundos, sua ex-banda, se apresentavam para cerca de 45 mil pessoas a 30 quilômetros dali, em Curitiba, Rodolfo se postava diante de aproximadamente 200 pessoas, em uma estrutura semelhante à de uma festa junina, com lona colorida e espetinhos de carne à venda para o público. Rodolfo tocou até quando a chuva permitiu – depois, a água acabou desligando os equipamentos. Antes disso, botou para pular algumas dezenas de adolescentes sem medo da chuva, com “Minha Maior Riqueza”, do álbum Santidade ao Senhor (2006), e “Saudade de Casa”, de Enquanto É Dia (2007).


“O Rodolfo dos Raimundos morreu aos 27 anos”, decreta ele próprio, quando o encontro pela terceira vez em um mês, agora em São Paulo, sete dias após a morte de Amy Winehouse. Relembrando como o vi na outra ocasião, se apresentando em um palco simples no interior paranaense, aquela sentença faz todo sentido. Embora as roupas deste até coubessem naquele dos anos 90 – jaqueta preta de náilon, blusa de flanela xadrez, calça jeans e botas –, ali, sob frio e chuva, cantando sobre o que Deus fez em sua vida, fica evidente que o Rodolfo do Raimundos não existe mais. Então, quem é esse homem com físico de atleta, tatuagem forrando os braços e subindo pelo pescoço, guitarra pendurada quase na altura dos joelhos, que canta versos como “Só Jesus faz meu dia melhor/ Tu és o motivo de me sentir cada vez mais vivo/ Te chamo de pai, tu és tudo o que eu preciso/ Rei eterno e meu Deus vivo”?

Rodolfo Abrantes é hoje um missionário. Aos 39 anos, é membro da Igreja Bola de Neve em Balneário Camboriú (SC), onde mora. Cita trechos da Bíblia com a facilidade de um teólogo veterano. Passa os finais de semana na estrada, acompanhado por sua banda atual e, na maioria das vezes, pela esposa, Alexandra, com quem está casado há dez anos. Desde então, tem o rock como um veículo para falar de Jesus. Durante a semana, pega onda e, sempre que precisa, realiza voluntariamente os cultos das quartas-feiras na igreja local. Para sua fase “zen-cristã-surfista”, a cidade do litoral catarinense é o cenário ideal. Seu sustento vem das vendas de CDs, cachês das apresentações e contribuições voluntárias das igrejas onde toca.

Encontro Rodolfo pela segunda vez em um sábado, 2 de julho, descarregando os próprios equipamentos em uma entrada lateral da Bola de Neve, em Curitiba. Ao seu lado, estão o baixista Victor Pradella, de longos dreadlocks, o baterista Anderson Kuehne “Xexéu” (“meus melhores amigos”, ele diria mais tarde) e um cinegrafista que registrou três dias na vida do ex-Raimundos para um programa de TV. Rodolfo e a banda são os convidados do aniversário de cinco anos do motoclube da igreja, com foco em ação social e na evangelização de seus pares.

Enquanto a igreja enche lá fora, Rodolfo relaxa jogando videogame no backstage. Victor, Xexéu e um amigo de Rodolfo, vindo de Camboriú, se revezam em partidas de Pro Evolution Soccer. Quando Rodolfo assume o joystick, os amigos se preparam para rir. Xexéu alerta: “Ele costuma ficar nervoso quando joga”. Com a seleção brasileira da Copa do Mundo de 2006, o vocalista enfrenta a Argentina. “O Gilberto Silva é uma velha”, solta, enquanto vê o meio-campo argentino botar na roda o brasileiro. A Argentina faz 1 a 0 e Victor e Xexéu gargalham. Mesmo com a derrota, a tensão se vai assim que o jogo acaba – depois do show, Rodolfo retoma o game e, enfim, vence os rivais. Antes de subirem ao palco, os três se juntam para uma última oração.

No show, Rodolfo intercala as músicas com mensagens rápidas à audiência: “Que a altura da nossa alegria seja proporcional à autenticidade da nossa adoração”. Ao sentir o clima favorável, após um tempo cantando o verso “Deus, vem derramar tua vida em mim”, ele olha para Victor e diz, duas vezes: “É agora”. Ali, se desfaz da guitarra e inicia a pregação, na qual repassa a sua história e aponta para os céus.

Nascido em 20 de setembro de 1972, no Distrito Federal, Rodolfo Gonçalves Leite de Abrantes cresceu em uma cidade cuja identidade ainda estava em formação. Filho de médicos paraibanos que migraram para a capital do país a fim de concluírem os estudos, ele estava fora do padrão: não tinha pais políticos ou diplomatas. O orgulho de ser brasiliense veio com a geração roqueira local, que ele viu nascer a algumas quadras da sua casa (em frente à do amigo guitarrista Digão), em um bar chamado Gilbertinho. Dali até o Raimundos, foi um pulo.

“Tudo o que sabiam de mim era ‘Rodolfo dos Raimundos’. E aquela coisa louca... parecia que eu era aquilo. Só que eu não era aquilo, eu tinha me tornado aquilo”, ele diz. “Fiquei muito diferente do que eu estava, não do que eu era. Porque aquele dos Raimundos não era o que eu era, mas o que eu estava.” Sentado no confortável sofá do backstage, ele se esforça para se explicar. “Deus foi me transformando; ele transforma a gente de dentro para fora. Então, hoje sou diferente do que eu estava, mas não estou diferente do que eu era.” A saída de Rodolfo do posto de frontman do Raimundos se deu uns cinco meses após sua entrada para a igreja, em 2001. E a tempestade de críticas deixou-o de guarda armada em um primeiro momento. “[À época] eu não dava entrevista, eu fazia a minha defesa. Eu estava num tribunal sendo acusado de ter traído o rock”, ele lembra, emendando uma pergunta com uma resposta. “Meu, eu não posso fazer o que eu quiser da minha vida? Não, pelo jeito não."

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Peter Tork: o Monkees cancelou turnê por causa de “falha”.

Este ano, o Monkees colocou de lado uma década de amargura e excursionou para comemorar o aniversário de 45 anos. Fizeram 43 shows na Europa e nos Estados Unidos antes de suspender a turnê sem quase nenhuma explicação, em agosto. “Não posso falar muitos detalhes sobre o que aconteceu", o baixista/guitarrista Peter Tork conta à Rolling Stone EUA. “Mas tivemos algumas questões de negócios que não conseguimos coordenar corretamente. Tropeçamos em uma falha e aconteceu uma espécie de deslocamento estranho, em certo ponto. Não posso dizer mais nada sem entrar nas coisas que temos que manter entre nós. Temos que resolver essas questões longe dos olhos do público.”


De acordo com Tork, os problemas internos do grupo surgidos na turnê de 2001 não voltaram à tona. "Eu reajo muito menos do que costumava”, diz ele. "Entre as mudanças de comportamento de todos e a reestruturação na forma como lidávamos um com os outros . . . fizemos tudo certo. Nos divertimos bastante no palco, rimos, criamos piadas. Jonsey [Davy Jones] e [Micky] Dolenz são caras engraçados. Algumas noites, cantava [na melodia de “'I'm A Believer”], “I saw her face, not Justin Bieber . . .'" (eu vi o rosto dela, não era Justin Bieber, em tradução livre).

Diferente do que aconteceu em shows anteriores do Monkees, em que eram tocados basicamente os hits, o grupou cavou fundo em seu catálogo e tocava regularmente um set de 43 músicas, que durava mais de duas horas. “Conseguimos concentrar muitas canções porque pulávamos o verso do meio de algumas delas" diz Tork. "Tentamos fazer isso com o intervalo, mas isso só acabava com nosso ritmo.” A turnê fez com que o grupo recebesse ótimas resenhas. “A publicidade residual que conseguíamos na década de 70 por ser um grupo de mentira só acabou antes dessa turnê”, Tork diz. "Em 1997, fizemos uma turnê pelo Reino Unido e tínhamos regularmente casas com 8 mil pessoas berrando do começo ao fim. Absolutamente todas as resenhas no Reino Unido diziam 'nossa, essas pessoas estão tão iludidas. Simplesmente não conseguem perceber quando algo é terrível. Qual o problema dessas pessoas burras? ‘.“

Aquela turnê de 1997 pelo Reino Unido foi a última vez que Michael Nesmith dividiu o palco com o Monkees. Todas as turnês seguintes contaram com o lie-up que tem o trio Tork, Jones e Dolenz. "Os fãs nos chamam de os ‘Threekees’”, diz Tork. "Eu diria que as chances de uma outra turnê do Threekees são melhores do que 50%. Quanto ao line-up com os quarto integrantes, o 'Fourkees', diria que as chances não chegam aos dois dígitos.”

Na década de 80, Nesmith ocasionalmente participava de uma ou duas músicas com a banda, quando ela passava por Los Angeles. "Imagino que é improvável até que isso aconteça” , diz Tork. "Mas aí a porcentagem da possibilidade já é bem maior do que da gente viajar como um quarteto." Se o Monkees realmente sair em turnê novamente, Tork não acredita que os fãs terão que esperar outros dez anos. "Provavelmente, seria no próximo ano, ou próximos dois anos”, ele diz. "Mas é óbvio que nada está certo ainda e até que a gente veja um acordo no horizonte, não dá nem para começar a organizar uma turnê. Porque quando você começa a planejar, pode deixar tudo agendado para seis
ou sete meses para frente."

Apesar dos elogios à última turnê, Tork ainda sente que o Monkees não recebe o respeito que merece. “Com toda a modéstia devida, já que tive pouco a ver com isso, o songbook do Monkees é um dos melhores da história do pop", ele diz. “Certamente, está entre os cinco melhores, em termos de profundidade e alcance. Foi revelado que não tocávamos muito nossos instrumentos nos discos bem no momento quando o idealismo da beatlemania no rock estava no auge. Então, nos tornamos os grandes traidores. As origens do grupo eram óbvias e todo mundo entendia isso, mas de repente um interruptor foi acionado e as coisas começaram a desmoronar em torno de nós."

Enquanto espera o tempo do Monkees resolver as questões internas, Tork está caindo na estrada para uma série de shows acústicos solo, assim como para suas apresentações da banda de blues Shoe Suede Blues. "Com o grupo, fazemos um terço de músicas do Monkees, um terço de originais e um terço de covers de blues famosos" Tork diz. "Com meu show solo, levo um banjo e teclado e toco canções de folk e geralmente faço um cover de Bach no teclado só por diversão. Mas eu sei que se eu não tocar algumas músicas do Monkees, o público ficará totalmente frustrado."

Shawn Crahan confirma novo álbum do Slipknot.

Para a alegria dos fãs, o Slipknot trabalhará em um novo álbum – mas ainda sem previsão de lançamento. Quem confirmou a informação foi o percussionista Shawn Crahan, em entrevista à Kerrang!.



A banda, e principalmente o vocalista Corey Taylor, nos últimos tempos andava meio em cima do muro quanto a um material de inéditas após a morte do baixista Paul Gray, ocorrida em 2010 por causa de uma overdose. Mas Crahan, agora, confirmou que um disco, sucessor de All Hope Is Gone, de 2009, será elaborado.

“Há planos [de gravarmos um novo álbum], mas está distante. Ninguém vai acelerar o processo porque será um disco dos grandes. Parecido com Iowa (2001), mas mais triste e mais louco. Poderá até ser conceitual”, revelou o percussionista. “Ainda estamos tirando um tempo para refletir sobre nosso irmão [Gray]. Todos precisamos juntar nossas reflexões.”

Os Muppets gravarão cover de “Smells Like Teen Spirit”.

Os Muppets gravarão cover do clássico “Smells Like Teen Spirit”, do Nirvana, na trilha sonora do longa-metragem Os Muppets. As informações são do site do semanário britânico NME.




A banda The Muppets Barbershop Quartet elaborará sua própria versão para o clássico do disco Nevermind (de 1991) no filme que tem data de lançamento marcada para 2 de dezembro aqui no Brasil. A trilha ainda contará com um cover de “Forget You” (versão mais comportada do hit “Fuck You”, de Cee Lo Green).

Como anteriormente divulgado, Dave Grohl, ex-baterista do Nirvana e atual frontman do Foo Fighters, fará uma participação no filme substituindo Animal, baterista original dos Muppets, que será submetido a um tratamento de controle de raiva, tendo que se ausentar de seus compromissos com a banda de fantoches.

O novo filme conta com roteiro e atuação de Jason Segel (estrela da série How I Met Your Mother), além de trazer no elenco também nomes como Jack Black, Ricky Gervais e Lady Gaga. A trilha sonora chega ao mercado norte-americano em 22 de novembro.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Guns N' Roses rebate declarações de Roberto Medina, idealizador do Rock in Rio.

Em comunicado oficial, o Guns N’ Roses respondeu às críticas feitas pelo idealizador do Rock in Rio, Roberto Medina. Durante entrevista ao jornal Extra, o empresário criticou o atraso de duas horas da banda e os considerou riscados de qualquer futura edição do festival.


“Gostaríamos de esclarecer as coisas em relação ao Rock In Rio. A produção inadequada do festival e a forte chuva atrasaram o evento. Todos que lá estavam viram que o System Of A Down não saiu do palco antes de 1:15 da manhã. O equipamento e produção da banda só saíram de lá após 1:45. A equipe do Guns só pôde começar a preparar o show às 2:15. Axl chegou ao local do evento bem antes, em torno de uma da manhã e estava pronto para se apresentar. A cobertura inadequada do palco do Rock In Rio causou um grande atraso. A mesa de som foi danificada e substituída o mais rápido possível. O Guns N’ Roses começou o show às 2:40 e se apresentou por duas horas e meia. Jamais desrespeitaríamos alguém intencionalmente, especialmente os fãs”.

Livro de tecladista do The Doors sobre volta de Jim Morrison deve virar filme.

Um livro lançado em 2002 pelo ex-tecladista do The Doors, Ray Manzarek, deve virar filme em breve. The Poet in Exile é uma obra fictícia que retrata a morte em 1971 do vocalista da banda, Jim Morrison, como falsa e conta como seria o retorno do músico 30 anos após o ocorrido. As informações são do blog The Playlist.



O filme está em fase de pré-produção pelo próprio Manzarek junto à Clubhouse Entertainment. A direção e roteiro ficaria por conta de Tim Sullivan (2001 Maniacs), com auxílio do editor Gavin Heffernan e da poeta Liz Sullivan. A trilha sonora será responsabilidade de Manzarek, que declarou não ter interesse em aparecer nas telas. "Eu não sei se atuar é o meu forte", disse o tecladista.

The Poet in Exile tem previsão de início das filmagens a partir do ano que vem, sem nenhuma data ou elenco confirmado, até o momento. Este será o segundo longa-metragem a respeito do vocalista do The Doors, sendo que o primeiro, The Doors, foi lançado em 1991 com Val Kilmer interpretando Morrison.

A noite do classic rock.

O grupo vem com tanta regularidade ao Brasil que já virou folclore. Mas, mesmo com um certo ar de previsibilidade, o Deep Purple é sempre bem-vindo por aqui. A nova turnê, que já passou por Belém, Fortaleza e Campinas, está sendo um grande sucesso. Em São Paulo, na Via Funchal, na noite da última segunda, 10, o quinteto britânico conseguiu juntar mais de cinco mil pessoas.

Mas, antes do Purple subir ao palco, o público conferiu a abertura com a banda República, que atacou com muito gás covers como “Ace of Spades” (Motörhead) e “Rock and Roll” (Led Zeppelin), além de mostrar algumas canções autorais.


Precisamente às 22h, o Deep Purple surgiu ao som de “Highway Star”, grande clássico do álbum Machine Head (1972). Ian Gillan (vocal), Roger Glover (baixo), Don Airey (teclado), Steve Morse (guitarra) e Ian Paice (bateria) seguiram com “Hard Lovin’ Man” e “Maybe I’m a Leo”. A clássica “Strange Kind of Woman” levantou o público e depois a banda emendou “Rapture of The Deep”, música-título do mais recente CD do grupo.

O Deep Purple não perdeu o pique e veio com “Mary Long” e “Contact Lost”, canção do álbum Bananas, que tem como destaque o solo de Steve Morse. Outro grande momento aconteceu com “When a Blind Man Cries”. “Lazy”, com sua cadência de blues, mostrou Gillan muito à vontade. O cantor, naturalmente, não tem mais a voz dos tempos áureos da banda. Há um bom tempo ele não consegue mais emitir os agudos que foram sua marca registrada nos anos 70 e 80. Pelo menos o sempre simpático Gillan, que agora tem 66 anos, prefere não esconder a idade e não adota a postura de “Deus do Rock”. E como as canções foram adaptadas aos seus novos timbres vocais, nada soa vergonhoso ou fora de propósito.

O cantor, porém, não é o único astro festejado do Purple. Muita gente vai aos shows da banda para conferir a técnica e velocidade do guitarrista Steve Morse e ele sempre tem momentos para brilhar. O tecladista Don Airey, que em 2002 substituiu Jon Lord, também ganhou o spotlight. Depois do solo de Airey, a banda se agrupou para a parte final da apresentação, que teve “Perfect Strangers” e “Space Truckin’ ”. Morse, então, se posicionou e começou a fazer citações a diversos riffs clássicos do rock. Foi a deixa para ele emendar com “Smoke on The Water”. A essa altura, a voz de Gillan já começava a fraquejar, mas os fãs compensaram cantando entusiasticamente a letra desse grande clássico do álbum Machine Head.

Depois de um breve intervalo, a banda voltou com “Hush”, o primeiro hit do grupo, de quando o Deep Purple tinha um conceito musical e uma formação totalmente diferentes. E o encerramento ficou, como sempre, com “Black Night”, cujo riff de guitarra acaba sendo encoberto pelo coro do público, que entoa “ôooooooooooooo”. O Deep Purple toca na noite desta terça, 11, em Belo Horizonte (no Chevrolet Hall) e depois segue para Florianópolis (dia 12, no Stage Music Hall).

15 Anos sem Renato Russo.

A morte do ex-vocalista do Legião Urbana, Renato Russo, completou 15 anos nesta terça, 11. Um dos grandes representantes de sua geração, Renato Manfredini Júnior foi o maior expoente do rock brasília, gênero surgido no fim dos anos 70 com o Aborto Elétrico, sua primeira banda.




Nascido em 27 de março de 1960, Renato Russo mantém seu legado até os dias de hoje. Criou o Legião Urbana em 1982, junto aos amigos Dado Villa Lobos e Marcelo Bonfá. Os dois integrantes remanescentes da banda participaram do Rock in Rio, neste ano, em uma homenagem à Legião Urbana, ao lado da Orquestra Sinfônica Brasileira e com a participação especial dos músicos Pitty, Rogério Flausino, Dinho Ouro Preto e Herbert Vianna e Toni Platão. (Leia mais aqui)

Conhecido tanto por suas canções de protesto como pelas de amor, as músicas de Renato Russo inspiram até hoje a cultura pop. O filme Faroeste Caboclo, dirigido por René Sampaio, tem sua história baseada na canção, uma das mais conhecidas do Legião. A história de João de Santo Cristo deve chegar aos cinemas no segundo semestre de 2012. Além disso, um comercial feito por uma operadora de celulares recentemente despertou novamente a atenção acerca da música "Eduardo e Mônica" (assista aqui).

Além de Faroeste Caboclo, uma cinebiografia do ex-vocalista do Legião deve chegar ano que vem aos cinemas. Somos Tão Jovens tem na direção Antônio Carlos Fontoura, que falou a respeito do poder atemporal da música do Legião. “A primeira vez que comprei um disco do Renato foi quando meu filho, então com 12 anos, me disse: 'pai, me dá um disco do Legião’. Eu falei: ‘Você conhece esses caras?’”, disse o diretor.

Renato Russo morreu no dia 11 de outubro de 1996 em consequência de complicações causadas pela Aids, doença que contraiu em 1989.