terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Top Link Music confirma Anthrax com Misfits em São Paulo.

A banda que conta com a volta do vocalista Joey Belladonna, e divulga seu novo álbum ''Worship Music'' O evento contará também com a banda Misfits, que recentemente lançou o trabalho ''The Devils Rain''. A abertura do show será por conta do grupo paulistano Torture Squad.




Informações e venda de ingressos:

Camarote – Meia R$ 175,00 Frisas – Meia R$ 150,00 Cadeira Alta – Meia R$ 125,00 Pista Vip 1. lote – Meia R$ 180,00 Pista Vip 2. lote – Meia R$ 190,00 Pista Vip 3. lote – Meia R$ 200,00 Pista 1. lote – Meia R$ 65,00 Pista 2. lote – Meia R$ 80,00 Camarote R$ 350,00 Frisas R$ 300,00 Cadeira Alta R$ 250,00 Pista Vip 1. lote R$ 360,00 Pista Vip 2. lote R$ 380,00 Pista Vip 3. lote R$ 400,00 Pista 1. lote R$ 130,00 Pista 2. lote R$ 160,00



**Clientes do HSBC têm 25% de desconto na compra de ingressos. Limitado a 4 ingressos/sessão por titular do cartão, mediante pagamento com a utilização dos cartões HSBC.

Classificação: 14 anos

Endereço: Rua Braganca Paulista, 1281 - Chácara Sto Antônio Cep: 04727-002

Morrissey afirma que chances de gravar novo disco são cada vez menores .

Morrissey não deve lançar um disco de inéditas em um futuro próximo. Em um comunicado, o cantor afirmou as chances de gravar um álbum estão diminuindo cada vez mais, já que ele não tem contrato com uma gravadora.




“Eu não espero viver o bastante para experimentar uma oferta de gravar para um selo adulto”, escreveu o cantor em texto enviado ao site de fãs True to You. “Esse tópico não soaria tão banal se eu já não o tivesse mencionado 47 vezes. Eu prometo que não vou mencionar isso novamente. O mundo, eu espero, vai de alguma forma suportar, mesmo que o sucessor de Years of Refusal [último trabalho solo do cantor, lançado em 2009] seja cada vez menos provável. Fim do assunto. Prometo.”

No último mês de junho, Morrissey mostrou ressentimento ao revelar que estava sem gravadora. Em entrevista ao site Pitchfork, ele afirmou que já tinha todas as músicas prontas para um novo CD, mas estava sem contrato porque só era lembrado pelo que tinha feito à frente do Smiths.

Processo e elogio ao México
No texto enviado ao True to You (leia aqui), Morrissey também reafirmou que irá processar a revista britânica NME, por, segundo ele, ter alterado respostas de uma entrevista “para me fazer parecer racista”. Ele ainda exaltou os shows que fez recentemente no México (“nenhuma tentativa de descrever faria justiça [à recepção do público]”) e denegriu o Shrine Auditorium, em Los Angeles (“uma favela aberta”, de acordo com o músico).

Bono surpreende fãs na Irlanda e canta em centro comercial.

Neste Natal, Bono surpreendeu quem fazia compras de última hora em um centro comercial de Dublin, na Irlanda. O vocalista do U2 reuniu alguns amigos músicos e cantou para uma multidão que logo cercou o grupo.


Por motivos de segurança, o músicos precisaram terminar a pequena apresentação em um parque da cidade, já que na véspera do Natal de 2010 o cantor fez a mesma aparição surpresa, o que deixou muitos fãs em alerta neste ano.

Van Halen anuncia turnê com David Lee Roth.


O Van Halen fará nova turnê, anunciou a banda nesta segunda-feira por meio de um vídeo em seu site oficial. A temporada de shows deve trazer de volta o ex-vocalista David Lee Roth, que participará do novo disco do grupo, o primeiro lançamento com o vocalista original do Van Halen desde 1984.
A banda publicou três vídeos com todos os seus integrantes, incluindo Roth, dançando e tocando ao som de de seus maiores clássicos,JumpPanama e Hot For Teacher. Um texto nos próprios vídeos indica apenas que a banda estará em turnê em 2012 e que os ingressos serão vendidos a partir de 10 de janeiro. Não há informação sobre os locais por onde a banda passará.
O posto de David Lee Roth foi ocupado por Sammy Hagar e Gary Cherone, do Extreme, nos últimos anos. Roth chegou a cantar novamente com o grupo em 2007 e 2008 durante turnê. O grupo é formado ainda pelo guitarrista Eddie Van Halen, o baterista Alex Van Halen e seu filho, o baixista Wolfgang Van Halen.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Motörhead comemora 35 anos de estrada com DVD da última turnê.

Em comemoração aos 35 anos de estrada, Motörhead lança o DVD The Wörld Is Ours Vol 1 - Everything Further Than Everyplace Else, um puro atestado do poder, da glória e da absoluta energia de um rock’n roll refinado e tocado por verdadeiras lendas.


Lançamento da EMI, The Wörld Is Ours Vol 1 - Everything Further Than Everyplace Else é um DVD intenso contendo alguns dos melhores momentos da turnê da banda, incluindo performances completas do Teatro Caupolican no Chile, filmado por Banger Films e Sam Dunn (Iron Maiden Flight 666, Rush: Beyond the Lighted Stage), além de imagens de shows em Nova Iorque, no Best Buy Theater e em Manchester, no Apollo.

Mixado pelo produtor de longa data da banda, Cameron Webb, The Wörld Is Ours Vol 1 está repleto com os clássicos mais pedidos pelos fãs do Motörhead, de Overkill a Ace of Spades e Killed by Death, assim como algumas preciosidades como Over the Top e novas favoritas do público como I Know How to Die.

O Motörhead é uma banda de rock britânica formada em 1975 na Inglaterra pelo vocalista, letrista e baixista Lemmy Kilmister, e conhecida pelo seu peso e velocidade, que influenciou muitas bandas de heavy, thrash metal e punk rock. Esse é o show que o Motörhead apresentou no Rock in Rio em 2011.


Para mais informações sobre Motörhead, visite:
www.imotorhead.com/
www.facebook.com/pages/Lemmy-Kilmister/300294930093
http://twitter.com/myMotorhead

Steven Adler torce por reunião do Guns N' Roses no Hall da Fama do Rock.

Ao longo dos últimos 25 anos, muitas bandas colocaram de lado as brigas internas para se apresentar na cerimônia de introdução ao Hall da Fama do Rock and Roll. Ninguém nunca achou que bandas como o Cream, Talking Heads, Led Zeppelin e The Police fossem tocar juntas novamente, mas todas fizeram isso quando entraram para o Hall da Fama. O Guns N' Roses poderá ser a exceção. A formação original não faz shows desde 1990 e Axl Rose disse coisas crueis sobre Slash nos últimos anos. Apesar de tudo isso, os fãs estão incrivelmente esperançosos de que eles possa colocar as diferenças de lado no próximo mês de abril, em Cleveland. Conversamos com o ex-baterista do Guns N' Roses, Steven Adler, para saber o que ele acha a respeito da entrada da banda no Hall da Fama - e saber se ele acha que uma reunião tem boas chances de acontecer.


Parabéns pela entrada da banda no Hall da Fama do Rock.
Sonhos se tornam realidade.

Conte como foi a sua primeira reação quando soube.
Claro que foi empolgação e alegria. Eu sempre soube que aconteceria um dia. Assim como sempre soube que a banda teria sucesso e realizaríamos nossos sonhos. Nunca tive nenhuma dúvida de nada disso. Quando estávamos gravando Appetite For Destruction, todos nós sabíamos. Fui abençoado. Eu cresci e toquei e trabalhei e criei com os Freddie Mercury, Jimi Hendrix, Keith Richards e John Paul Jones da minha geração. Eu amo aqueles caras mesmo com tudo que aconteceu. Tudo que aconteceu era porque estava no destino. Sempre soube que a gente daria certo.

Está ansioso para a cerimônia?
Eu tenho treinado o meu discurso desde que soube. Tenho uma barraca e um saco de dormir, então vou chegar lá uma semana antes.

Você acredita que todos os cinco vão aparecer?
Estou bem certo que não. Mas, até onde eu sei, existe um Deus e um poder maior e, então, é possível. Infelizmente, não prevejo isso. Você acha que o tempo tem o poder de curar todas as feridas, mas algumas pessoas simplesmente guardam REALMENTE muito rancor.

Acredito que Axl está tranquilo em relação a você, Duff Mckagan e Izzy Stradlin…
Ele deveria estar tranquilo com o Slash! O que deu mais pena no fim do Guns N' Roses, quando fui expulso, não foi só ter sido expulso. Mas o fato de que Slash e Axl pararam de trabalhar juntos. Eles são o Keith Richards e o Mick Jagger! O Steven Tyler e o Joe Perry! São 20 anos de música que deixou de ser criada por causa de um rancor IMBECIL, que eu garanto que nenhum dos dois sabe mais dizer qual a razão de ser. Eles nem sabem! Eu almocei com o Slash há algum tempo. Ele ama o Axl. Não tem nenhum rancor dele. Tudo por causa de uma raiva besta. É uma pena.

É interessante que Axl estava disposto a certar as coisas com Duff e Izzy, mas ele parece realmente ter guardado rancor de Slash. Ele até o chamou de câncer.
Eu tenho lido os tuítes dele sobre todos esses shows que eles tem feito nos mesmos estados. Meu irmão mandou um e-mail para o manager dele para ver se eu poderia tocar uma música. Ele já mandou duas vezes e ele nunca respondeu. Ele não pode estar bravo comigo!

Você não falou com ele em Las Vegas há um tempo?
Há sete anos! Mas estava tudo bem. Eu não gostei da entrevista que ele deu no That Metal Show. Fiquei muito decepcionado. Ele não deu uma resposta sequer. Eu te garanto – e dá para dizer pela cara que Eddie [Trunk, apresentador] e os outros caras estavam fazendo – que antes do Axl ir fazer o programa o manager dele falou para os apresentadores: "Se você perguntar sobre isso, ou sobre aquilo, ele vai se levantar no meio da entrevista e simplesmente ir embora". Eu garanto isso. E as perguntas que eles puderam fazer de fato, ele não respondeu. Ele só começou a falar sobre qualquer outra coisa que queria. E colocava a culpa em todo mundo. Colocou culpa em todo mundo! Quem liga? Não fique colocando a culpa nos outros. Eu fiquei decepcionado. Eu estava esperando ouvir algo melhor dele.

Aí, quando ele falou sobre o Hall da Fama do Rock... é por isso que eu acho que ele não vai aparecer. Ele pareceu ter tanta raiva! Ele nem respondeu. Eddie fez a pergunta e ele nem para dar uma resposta direta. Ele disse "bla, bla, bla, bla bla”. Depois falou algo sobre “não sei o que é que estão esperando de mim e da banda antiga”. Como assim o que estão esperando? Não dá para a gente ser só um monte de caras que faziam música e alcançaram um objetivo gigante em suas vidas e simplesmente ir lá tocar umas canções? É só rock & roll, meu Deus! Não é ciência de construção de foguetes.

Bandas tendem a se reunir no Hall.
Se o Police conseguiu se reunir… um dos caras mais escrotos que já conheci é o Sting. Se ele conseguiu, então qualquer um consegue. Não é esse drama todo. E o Eagles! Eles também conseguiram! Eles se odiavam muito. É só rock & roll.

Cinco velhos amigos tocando música não deveria ser algo tão complicado.
Não deveria ser. É irritante. Ainda bem que eu acredito em um poder maior, porque é enervante. Ainda mais porque sempre que eu saio, até quando vou só em uma loja de conveniência, ou algo assim, sempre tem alguém que me pergunta: “Quando é que vocês vão se juntar novamente, fazer uma reunião?". Olha, se dependesse de mim, a gente já teria feito isso há 20 anos! As pessoas brigam, ficam bravas, usam drogas e fazem coisas loucas. Se você sobrevive e supera, era para você conseguir tocar a bola para frente. Essas são as únicas feridas das quais já ouvi falar na vida que não conseguem ser curadas com o tempo. Não é como se alguém tivesse comido a mulher do outro, ou roubado a mulher do outro, como no caso dos Rolling Stones Brian Jones e Keith Richards. Nada dessa merda aconteceu.

Será uma belíssima noite em Cleveland com vocês e o Beastie Boys.
Acontece em Cleveland? Achei que fosse em Nova York.

É em Cleveland a cada três anos agora. Será na Sala Municipal.
Olha só! Eu nasci em Cleveland. E é nessa circunstância que vou voltar para lá. Isso é fabuloso!

Serão vocês, Beastie Boys, Chili Peppers, Donovan, Laura Nyro, The Faces com Rod Stewart.
Ah, uau! Rod Stewart também estará lá? Uau. Eu não falo com ele desde que ele me ligou e gritou comigo falando da ex-mulher dele [gargalha]. Eu te amo, Rod.

Sabe o que é mais legal no fato de os Chili Peppers estarem lá também? Eu, o Slash e o Flea frequentamos o mesmo colegial juntos. Crescemos todos no mesmo bairro. Nós todos jogávamos futebol americano na rua, e Flea tocava trompete para a minha ávó na varanda da casa dela. Foi bem legal que eu, Slash e Flea gravamos uma faixa para o disco solo do Slash em 2010. Isso me animou muito… Três vagabundos das ruas de Hollywood que cresceram juntos e se deram bem.

Como você acha que será o momento quando estiver naquele pódio recebendo o prêmio?
Eu te conto depois que ele rolar. Mas preciso te contar que eu tenho ensaiado, estou ensaiando meu discurso faz tempo.

O Axl sempre foi assim? Ele era uma pessoa mais fácil de se lidar antigamente?
Eu acho que ele está exatamente igual. Pelo tuítes que eu tenho lido, nada mudou. Antigamente, ele aparecia na hora para as coisas. Ele não necessariamente ficava muito tempo em cima do palco, mas a gente não se atrasava.

Como anda sua saúde hoje? Está limpo?Minha saúde está maravilhosa. Eu malho. Faço música. Tenho uma esposa linda, uma bela casa, um belo carro, tenho dinheiro no banco. Tenho três lindos cachorros que me amam. Como eu disse, fui abençoado. Eu sobrevivi. Se quer saber como era mesmo ser um integrante do Guns N' Roses desde o comecinho, você precisa comprar meu livro. E o livro do Slash e o livro do Duff também. Se você juntar os três, é como se você fosse o melhor amigo dos três. Eu quero ver o livro do Izzy. Eu quero saber o que se passava com ele. Eu estava lá, mas eu não estava sempre presente.

Está limpo? Parou com as drogas?
Sim, estou limpo. Eu tenho trabalhado com o Dr. Drew. Eu trabalho com a Dra. Sophie. Eu trabalho com Bob Forrest. Agora eu estou muito animado. Tenho uma razão de viver.

Você vê essa entrada para o Hall da Fama como o ponto alto da sua carreira?
É um dos, mas seria o ponto alto mais importante realmente se nós cinco pudéssemos nos apresentar juntos novamente. Esse seria o maior ponto alto. Sim, isso é enorme. Claro. Eric Clapton, John Lennon... e eu vou entrar para o Hall. Esses vão ser meus irmãos. Mas a coisa ficaria ainda mais verdadeira se pudéssemos fazer o show. Se Axl e os outros caras considerarem fazer isso, seria um sonho se tornando realidade para mim. Conforme eu disse, seria como encerrar o que comecei com eles.

Acredito que nos próximos meses teremos um drama infinito e notícias de “eles vão” ou “eles não vão”. Estou esperando muito drama pela frente.
O drama não parou por 25 anos. Eu não consigo ver isso acabando, mas eu sei que existe amor entre nós cinco. Eu sei que tem. Não somente entre quatro de nós, mas entre os cinco. Cinco. Devemos isso aos fãs. O MÍNIMO que podemos fazer é dar a eles uma ótima performance.

Bom, estou com os dedos cruzados.
Você e eu também. Meus dedos estão cruzados. Até meus dedos dos pés estão cruzados!

Após suposta morte, Jon Bon Jovi passeia sorridente no Caribe.

Um dia depois de desmentir sua morte no Twitter, consequência dos boatos que proliferaram nas redes sociais durante a semana, Jon Bon Jovi foi clicado sorridente na quinta-feira (22) passeando pelas ruas de São Bartolomeu, ilha localizada no Mar do Caribe. As fotos foram divulgadas neste sábado (24).


Em férias no local, o cantor da banda norte-americana que leva seu nome estava com um ar despojado, andando com camisa pólo, bermudão e óculos tipo aviador.
A falsa notícia de sua morte começou a circular pelas redes sociais na noite de segunda-feira (19) e dizia que a "lenda internacional" da música havia sofrido uma parada cardíaca.
Na quarta (21), no entanto, ele postou uma foto segurando uma placa com dizeres bem-humorados a respeito do incidente - "o céu parece muito com Nova Jersey", brincou, comparando o céu, para onde as pessoas supostamente vão após óbito, à cidade onde mora, nos EUA.

"O rock se tornou conformista e normal", diz líder do Primal Scream.

Bobby GIllespie, vocalista e guitarrista do Primal Scream, criticou a falta de ambição das novas bandas de rock n' roll e disse que pessoas inteligentes estão procurando outros meios fora da música para se expressar. As informações são do site Gigwise.


"Eu me encontrei com Paul Weller outro dia em um café e nós estávamos falando sobre a falta de ambição que parece prevalecer no rock atualmente", disse o músico para o jornal Irish Times.
"Você lê entrevistas com bandas e é sempre sobre se tornar rico, famoso e ser o maior grupo do mundo. Parece que não há mais muitos artistas por aí. Parece que, se você é um jovem sério e tem algo para dizer, você procura outras disciplinas", continuou.
Ele ainda continuou: "Rock não é onde a criatividade está e não é mais levado a sério pelas pessoas. Ele foi absorvido pela cultura popular e se tornou conformista e normal. Parece que não há boas cabeças trabalhando na música ultimamente".
"Isso tudo aconteceu quando White Stripes e The Stokes apareceram, sem desrespeitar essas bandas. Parece que muitas pessoas desistiram de ser experimental. Eu não quero rebaixar nenhuma banda, mas pessoas que vieram depois desses têm uma real falta de conteúdo", explicou.

domingo, 25 de dezembro de 2011

FELIZ NATAL!!!

A equipe da Mercury Radio,deseja a todos seu ouvintes um feliz natal.Um natal repleto de rock and roll.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Axl Rose desmente reunião da formação original do Guns N' Roses.

Axl Rose desmentiu os rumores de uma possível reunião da formação original dao Guns N' Roses para uma apresentação no Hall da Fama do Rock and Roll, cerimônia na qual serão homenageados no dia 14 de abril. As informações são do jornal LA Times.



"Tenho emoções diversas sobre o que o Hall da Fama do Rock and Roll é atualmente", disparou Rose. "Mas, ao mesmo tempo, há muitas pessoas – os fãs – que veem um significado naquilo e ficam felizes. É como se você ganhasse o Heisman [prêmio dado a jogadores de futebol americano universitário] ou algo do tipo."

Um dos grandes empecilhos para que a reunião aconteça, além da agenda de shows do atual Guns N' Roses, é o forte ressentimento de Axl com o guitarrista Slash. "Realmente era uma luta comigo e Slash", disse o músico sobre os problemas que levaram à saída de todos da banda após o disco de covers The Spaghetti Incident? (1993). "Izzy [Stradlin, ex-guitarrista] estava fazendo a mesma coisa, mas a luta entre Slash e eu começou desde o dia em que o conheci. Ele veio, tirou minha fita, colocou a dele e queria que eu entrasse na banda dele. E eu não queria entrar na banda dele. Tivemos essa guerra desde o dia um."

Slash fala sobre seu novo álbum.

Slash já está trabalhando no sucessor de seu álbum solo homônimo, lançado no ano passado. As informações são do site do semanário britânico NME.



As gravações do disco estão acontecendo atualmente em Los Angeles e o guitarrista andou comentando o que tem rolado no estúdio em sua página oficial no Twitter. Entre os posts, Slash disse que pretende gravar sete músicas até antes do Natal. “Os anos 70 ligaram e pediram o cowbell deles de volta. Nós dissemos: ‘vocês que se danem, ficaremos com ele’”, brincou o músico, sobre um dos instrumentos que marcará presença em algumas das faixas do disco.

Ainda sem título, o álbum deve ser lançado em algum momento de 2012, novamente com Myles Kennedy, frontman do Alter Bridge, nos vocais. A produção fica a cargo de Eric Valentine.

U2 tem a turnê mais lucrativa de 2011.

A turnê mundial 360°, do U2, foi a mais rentável de 2011. As informações são do site da revista norte-americana Billboard.




A excursão musical dos irlandeses arrecadou US$ 293 milhões (mais de R$ 545 milhões) em 44 shows com ingressos esgotados, com um total de 2,8 milhões de pessoas nos últimos 12 meses. A turnê teve início em Barcelona, em 2009, sendo concluída em julho deste ano, no Canadá.

Em segundo lugar ficou o Bon Jovi, com US$ 193 milhões (quase R$ 360 milhões) em 68 shows, e em terceiro o Take That com mais de US$ 185 milhões (cerca de R$ 340 milhões) em 29 shows. Integrando o top cinco, Roger Waters arrecadou mais de US$ 149 milhões (mais de R$ 275 milhões) em 92 shows e Taylor Swift mais de US$ 97 (em torno de R$ 180 milhões) milhões em 89 shows.

Música inédita do começo do Radiohead cai na internet.

Uma música nunca ouvida antes do começo da carreira do Radiohead apareceu nesta quinta-feira (22) na internet, segundo as informações do site da revista musical NME.


A canção veio à tona com dois nomes: Putting Ketchup in The Fridge e How Do You Sit Still. O site de fãs do Radiohead, ateaseweb.com, escreveu: "uma faixa apareceu hoje com os vocais de Thom York parecendo que foi gravada no começo dos anos 1990. Pense em Pablo Honey e The Bends".
Recentemente, a banda disponibilizou duas músicas online das gravações do seu mais recente álbum, The King of Limbs. The Daily Mail eStaircase foram postadas no canal oficial do Radiohead no You Tube.
Em novembro, duas demos do grupo, quando eles ainda se chamavam On A Friday, também caíram na internet: Everybody Knows e Girl. As faixas foram gravadas antes da chegada do guitarrista Jonny Greenwood à banda.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Natal com o Motorocker!!!

O Motorocker, a banda de rock curitibana mais bem sucedida, se apresenta no Hangar Bar neste dia 24, fazendo tributo ao AC/DC em plena véspera de natal.


Serviço:
24/12/2011 - CURITIBA/PR
JINGLE HELLS BELLS II - Motorocker AC/DC Tributo de Natal
Local: HANGAR BAR
Abertura da casa: 23:00h
End: Rua Doutor Muricy, 1091 - Inf: 41 3077-8189

Guns N'Roses anima público durante show na Califórnia.

A banda Guns N'Roses se apresentou na noite de quarta-feira (21) na arena The Forum, em Inglewood, na Califórnia. Liderado por Axl Rose, o grupo cantou seu extenso repertório e animou o público com clássicos como Sweet Child O' Mine e November Rain.


O show também contou com canções do Chinese Democracy, lançado em 2008. Axl, o único integrante da banda original, dividiu o palco com Chris Pitman (teclados), Tommy Stinson (baixo), Richard Fortus (guitarra), DJ Ashba (guitarra), Dizzy Reed (teclados), Ron "Bumblefoot" Thal (guitarra) e Frank Ferrer (bateria).
A última passagem da banda pelo Brasil foi no festival Rock in Rio, em outubro deste ano.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Velhas Virgens lançou DVD comemorativo de 25 anos em Porto Alegre.

Opinião Rock Bar, Porto Alegre/RS (01/12/2011)



Texto por Caesar Cezar de Cesar e fotos por Rachell Kolodsiejski



Mais uma vez somos presenteados com uma apresentação especial do Velhas Virgens para Porto Alegre, este momentos me fazem lembrar que somos mesmo uma cidade especial e muito dedicada ao Rock'n'Roll pois não foi a primeira e nem vai ser a última banda que grava algo oficial por aqui e ainda volta para fazer o lançamento do material. Desta vez o show tratava-se disso, o lançamento do novo DVD do Velhas Virgens, gravado no Bar Opinião, dia 09 de Junho deste ano, quando nos presentearam não somente com as gravações, mas com a grande festa de aniversário de 25 anos da banda, temática do DVD.

Desta vez para falar do show será necessário cuidado para não cair no velho ditado "chover no molhado", pois novamente tivemos todos os brindes, festejos, exageros e “putarias” de outrora. Talvez com um pouco menos de euforia, não da banda certamente, mas do público, que não lotou o Opinião, imagino que isto se deve a divulgação no mesmo panfleto do show do Matanza na semana seguinte, desta forma o público que gosta das duas bandas pode ter selecionado o outro show. Também existe o fator canseira do povo roqueiro trabalhador que se vê indisposto para ir a um show que está marcado muito tarde em uma quinta-feira. Acredito que os produtores precisam começar a mudar isso e realizar os eventos mais cedo, assim não teria tanta redução de público. Claro que muitos vão dizer que a gravação do DVD também foi numa quinta-feira e mesmo assim ainda rolou aquela "saideira" muito louca, mas cabe lembrar que naquela ocasião existia um "plus a mais" que era a gravação, pois todo mundo queria ficar famoso, mesmo que por alguns segundos, aparecendo no DVD. No entanto nada disto vem ao caso agora, o fato é que o público parecia menos animado e um pouco menor que da última vez. No entanto o show foi de altíssima qualidade por parte da banda principal e das bandas de abertura que deram início ao famigerado festival de baixaria sempre bem animado do Velhas Virgens.

Bem, agora vamos aos shows. Finalmente às 23h15min, numa noite de quinta-feira (coisa de guerreiro do rock mesmo), entra em palco a primeira banda, desta vez é a Bluecets, com um rock'n'blues muito animado, algo que não se vê com muita freqüência por ai, principalmente por tocar apenas músicas de própria autoria em português, além de agradar liricamente pela irreverência, também soa muito bem encaixadas no instrumental, que, diga-se de passagem, não deixou absolutamente nada a desejar. Existia um grande agravante de dificuldade: Era o primeiro show da banda no Bar Opinião, uma casa grande, um público muito grande e sedento por rock'n'roll. Isto poderia deixar qualquer um tremendo, mas para contrariar, a Bluecets fez um show fantástico, coeso e animado, mostrando como deve ser o verdadeiro entrosamento de uma banda, sem parecer robô, mas sem erros e conseguindo apresentar um belo rock'n'roll com alma de blues que empolgou a galera que curtiu e ovacionou. O show foi curto, cerca de 35 minutos, mas suficiente para se entender por que esta banda vem se destacando na noite de Porto Alegre. Formada por Franco Silva nos vocais, Mateus Alencastro e Eduardo Abelin nas Guitarras, Rafael Souza no Baixo, Rafael Zug na Bateria e Fernando Tedesco nas Harmônicas (e aleatóriedades). O Setlist foi composto por "À Procura Do Bar", "Aí Não Dá Né?", "Não Dá Nada", "Poker Blues", "Juanito", "Do Último Show", "O Diabo Não Blefa".

Depois da festa já armada e a energia fluindo dentro da casa, entra em palco a banda Tia Sila, por volta das 00:00, devido também a velocidade impressionante da troca de equipamento pela equipe de palco do evento. Tia Sila é formada por ótimos músicos que conseguiram animar a galera, mas infelizmente não me animaram como a banda anterior. Isto se deve principalmente ao meu desinteresse por bandas que tocam tantas músicas de autores já famosos em um show no qual tenho o objetivo de conhecer algo novo. Óbvio que isto é minha opinião, mas acredito que esse tipo de repertório já tem muito espaço em festas nas casas noturnas de Porto Alegre e arredores, então neste momento acho que deveria ser mais focado em bandas que primam o som autoral. O show realmente chamou a atenção do público em geral, pois quase todos conheciam boa parte das músicas, afinal eram clássicos absolutos de grandes nomes como Raul Seixas, Mutantes, Camisa de Vênus entre outros. A parte interessante do show ficou por conta de harmonias recriadas no saxofone, além de novos arranjos que eram perceptíveis nas músicas mais famosas que foram executadas. Pelo que pude notar houve a execução de uma música própria chamada: "Pobre Menino", infelizmente não conheço o repertório da banda e não reconheci outras músicas, além de ter assistido a este show mais afastado.

Agora sim, finalmente chegou a hora de ver o ouvir o que todos estavam esperando, o grande show de lançamento do DVD do Velhas Virgens, já passado da 1 da manhã, realmente é impressionante o gás do público roqueiro e não dá para dizer que era apenas gurizada que não tem nada pra fazer no dia seguinte, o show estava repleto de pessoas que certamente acompanham a banda a muitos e muitos anos e já não cozinham na primeira fervura como este que voz escreve. Devo relembrar que desta vez será difícil escrever sobre este show sem ser repetitivo, pois a pouco mais de cinco meses, neste mesmo canal de mídia, descrevi detalhadamente cada momento do show, no entanto o que estávamos prestes a ver era praticamente o mesmo evento revisitado. Também sou obrigado a comentar que no geral não fiquei tão empolgado com o que se apresentava no decorrer do show, a banda estava animada, estavam se empenhando muito em fazer um bom show, no entanto estava tudo muito parecido, até mesmo as mesmas piadas, comentários, trajes e encenações de putaria do show anterior foram repetidas com poucas alterações, o set foi tocado praticamente na mesma ordem, tanto que não sei nem dizer se houve alteração, exceto pelo final que não houve as repetições e adicionais que foram necessários para a gravação do DVD. Em certo ponto do evento eu já estava ouvindo no automático, visto que o show anterior foi inesquecível e ainda estava quente em minha mente.

Revisitando um comentário que já fiz, novamente estava lá, postado em frente a um palco levemente estranho e uma banda que adoro sentada com violões no colo e executando o tal "ato" acústico do DVD, com músicas lado B naquele ar de buteco em fim de tarde quando a ressaca acabou de passar. Paulão fez novamente aquele seu comentário longo sobre tudo que aconteceu no ano de 1986, é realmente muito engraçado, vale a pena ouvir de novo e o público realmente gosta. Acredito inclusive que o Paulão adicione algumas besteiras novas no seu relato sobre tudo que acontecia no mundo, engraçado ou não, enquanto o Velhas Virgens dava seu primeiro berro pós-parto bem sucedido entre Paulão de Carvalho e Alexandre "Cavalo". Uma das piadas que deve ser nova, ou não prestei atenção da outra vez, foi a chamada para a música: "Esse seu Buraquinho", é muito divertido associar esta música a "pobre" Sandy, nova rainha do buraquinho no Brasil, por contar suas historinhas que só os pais dela acreditam (risos). Acho que esta piada pode ser nova, pois ele fez referência a apresentação que fizeram no programa do Jô Soares da rede Globo em Agosto desde ano, após sua última vinda a POA. Lembro bem deste programa, pois dei muitas gargalhadas ao ouvir o Paulão falar em rede nacional o que esta música era dedicada à mocinha tão idolatrada pela mesma rede, isso foi realmente sensacional e divertido.

Felizmente para melhorar meu ânimo, que estava um pouco baixo, aquele "ato" acústico chegou ao seu fim e o Velhas Virgens volta a ser a banda de rock'n'roll suja e descarada que eu esperava ver. Rapidamente o palco é removido e surgem as músicas mais animadas para divertir mesmo a galera que não parecia desanimar com nada, inclusive preciso dizer que mesmo com o público menor os coros e cantorias eram muito fortes, muita gente cantando as músicas junto com a banda e se divertindo muito, me diverti muito vendo que muitos olhavam para a moça ao seu lado e ofereciam frases dignas de amor eterno como: "Tudo que eu fiz foi lindo, mas foi só pra te comer..." ou então: "Te largo falando sozinha e vou pro bar...". Mais uma das partes altas do show é revisitada, desta vez é o retorno da "simpática" e sensual Juliana Kosso, vestida de colegial com referência clara ao guitarrista do ACDC, que não preciso nem escrever o nome, encarnando nada menos que "A Mulher do Diabo", muito ovacionada pelo público, mas eu duvido que foi pela boa voz da cantora por traz do shorts curto que andava sobre o palco (risos). Das participações divertidas e sensuais de Juliana, uma que nunca pode deixar de ser comentada é a música "Abre Essas Pernas", não há nada mais divertido que ouvir o público fazendo o leilão ao final da música e toda encenação inspirada pela letra, além da grande quantidade de elogios emocionados do público para com a moça de tamanha simpatia que sorri ao ouvir palavrões sobre sua reputação. Como se já não bastasse o público animado cantando as pérolas da “bagaceirisse” que o Velhas inventou, Paulão ainda pede as moças do recinto que se aproximem de seus casais, ou de qualquer rapaz ao seu lado para ajudá-las na interpretação da música “Siririca Baby”, pode-se imaginar o resto, certo?

Dentre as novidades ocorridas neste show, uma que não posso deixar de comentar foi o aviso de Paulão sobre uma participação dele na gravação do clipe de uma banda após o show. A banda em questão já é muito conhecida aqui em POA, o Cartel da Cevada. Paulão participou do primeiro CD do Cartel, cantando a música "Elas por Elas" que vibra muito bem na temática do Velhas Virgens e agora estaria gravando um clipe para esta música naquele mesmo bar que outrora ocorreu a famigerada “saideira” com o Velhas, o bar mais rock'n'roll da cidade, Eclipse Studio Bar, bem ali perto do Bar Opinião. Desta vez Paulão estava com a camisa da banda no show e convidou o público para comparecer na gravação. Como não poderia deixar de ser, eu estava lá novamente para presenciar este momento, ver bem de perto o que estava para acontecer em uma gravação com um músico louco, “bebasso” e vestido com um roupão de saída de banho ou algo assim, só podia ser ele, mais ninguém se daria o trabalho de encarar uma dessas. Foi muito divertido, o bar estava bem cheio, repleto de amigos, aquela tranqüilidade de sempre e muita ceva boa o qual nunca pode faltar. No final, mesmo sendo um show praticamente revisitado, voltei para casa muito satisfeito com o evento que acabara de participar, tanto pela diversão, quanto pela música, bebedeira e toda putaria lírica que nunca falta em um show como este. Provavelmente o próximo show deles aqui será diferente, talvez um “setlist” novo com músicas de um próximo álbum, mas o certo é que mesmo não havendo nada de realmente novo o público não vai deixa de comparecer, se divertir e eu também não ficarei de fora.

The Sisters Of Mercy irá se apresentar na Via Funchal.

The Sisters Of Mercy, uma das bandas britânicas de maior destaque no cenário do rock alternativo dos anos 80, voltará ao Brasil para se apresentar na Via Funchal em 2012.
Criado em 1980, na Inglaterra, o grupo iniciou a carreira lançando singles por selos independentes. Com seu primeiro álbum, First And Last And Always (1985), tornou-se um dos grandes nomes do rock britânico graças a uma sonoridade soturna e original.
Os CDs posteriores, Floodland (1987) e Vision Thing (1990), ajudaram a firmar o nome do Sisters Of Mercy em todo o mundo, incluindo o Brasil, onde tocaram pela primeira vez em 1990.
Sua sonoridade mistura pós-punk, sons eletrônicos, rock industrial e até mesmo elementos de hard rock, em combinação original e que se tornou uma marca registrada e influente do rock.
Mesmo sem lançar novos álbuns nos últimos 21 anos, o grupo permaneceu se apresentando ao vivo em festivais e shows próprios, passando pelos quatro cantos do mundo. Eles costumam tocar faixas dos álbuns já lançados e também algumas inéditas.
Em seus 30 anos de carreira, a banda teve diversas formações, mantendo sempre seu líder, o cantor e compositor Andrew Eldritch. A atual escalação da banda inclui, além dele, Chris May (guitarra), Ben Christodoulou (guitarra) e Simon Denbigh (teclados).



SERVIÇO

Data : 10 de março/2012 (sábado)
Horário: 22h
Abertura da casa: 20h
Local: Rua Funchal, 65 - Vila Olimpia

www.viafunchal.com.br

Horário da bilheteria: das 12h às 22h (de segunda à domingo)

PREÇOS

Pista Premium (em pé): R$ 220,00

Pista: R$ 120,00

Mezanino: R$ 160,00

Camarote: R$ 220,00


Cartões de Crédito: Visa, Mastercard e Diners

Cartões de Débito: * Visa Electron.

*Somente em nossa bilheteria.

Estudantes tem direito a 50% de desconto no valor do ingresso em qualquer setor da casa.
Os ingressos de estudantes são vendidos apenas nas bilheterias da Via Funchal.

INFORMAÇÕES

www.viafunchal.com.br

(11) 3846-2300

Vendas online: www.viafunchal.com.br


Capacidade: 6.000 lugares

Duração: até 120 min.

Classificação Etária: 12 anos

Estacionamento na porta: R$ 30,00 c/manobrista (NETPARK)
Estacionamento VIP (dentro da Via Funchal – vagas limitadas): R$ 50,00 (vendido nas bilheterias e pelo site)

Acesso Deficientes

Within Temptation disputa prêmios ao lado de gigantes do Rock.

A repercussão do álbum "The Unforgiving" realmente está consolidando a banda holandesa Within Temptation no cenário do Rock/Metal mundial. O grupo, que vem ao Brasil em fevereiro, está concorrendo nas categorias "Artista do Ano", "Álbum de Rock" e "Deusa do Rock" no prêmio Loudwire Music Awards 2011.


O Within Temptation disputa o título de "Artista do Ano" ao lado de nomes como Anthrax, Avenged Sevenfold, Evanescence, Foo Fighters, Machine Head, Mastodon, Megadeth, Seether e Sixx: A.M.

O "Álbum Rock do Ano" está entre Evanescence, Foo Fighters, Red Hot Chili Peppers, Seether e Within Temptation.

Já na categoria "Deusa do Rock", a vocalista Sharon den Adel mede beleza com Amy Lee (Evanescence), Angela Gassow (Arch Enemy), Cristina Scabbia (Lacuna Coil) e Syd Duran (Valora).

O inaugural Loudwire Music Awards tem o intuito de celebrar os artistas de heavy metal e rock que fizeram um grande sucesso em 2011 contando com a força e apoio dos fãs. São 10 categorias diferentes e totalmente abertas ao público. Para votar, acesse os links abaixo.
Artista do Ano: http://bit.ly/umV4Pb
Álbum de Rock do Ano: http://bit.ly/tiaRrg
Deusa de Rock do Ano: http://bit.ly/uz16yq

Neste momento, o Within Temptation é um dos principais nomes do Gothic Metal Mundial. Os holandeses se apresentam no próximo dia 11 de fevereiro, no Espaço Victory, em São Paulo. No dia seguinte, tocam no Rio de Janeiro. A última passagem pelo país aconteceu em 2008.

Os ingressos para o show em São Paulo já estão à venda na loja virtual da produtora em http://darkdimensions.webstorelw.com.br e nas lojas Profecias e Rockland (Galeria do Rock). Os preços variam de R$ 80,00 à R$ 120,00.

"The Unforgiving" foi lançado no mercado europeu via Sony Music, a e via Roadrunner Records nos EUA, Reino Unido, Irlanda, Japão e Austrália. Este trabalho vendeu cerca de 12.000 cópias nos EUA em sua primeira semana de lançamento e estreou na n° 50 posição na Billboard.

"The Unforgiving" é baseado em uma HQ escrita pelo roteirista Steven O'Connell (BloodRayne ,Dark 48) e ilustrações de Romano Molenaar (Witchblade, Darkness, X-Men) para desenhar os personagens e cenários.

Com 15 anos de carreira, o Within Temptation já lançou cinco álbuns de estúdio e participou dos principais festivais de Rock/Metal do Mundo. Comandados pela frontwoman Sharon den Adel, a banda atualmente é dos nomes mais exaltados na Europa, alcançando o top 10 nas paradas de diversos países como Suécia, Alemanha, Suécia, Finlândia, Portugal e Bélgica.

A turnê pela América Latina é a seguinte:
Fev 02 - Circo Volador - Mexico City, Mexico
Fev 04 - El Teleférico - Quito, Equador
Fev 05 - Teatro Metropol - Bogota, Colombia
Fev 07 - Centro Convenciones Maria Angola - Lima, Peru
Fev 08 - Teatro Caupolican - Santiago, Chile
Fev 10 - Teatro Flores - Buenos Aires, Argentina
Fev 11 - Espaço Victory - São Paulo, Brasil
Fev 12 - Circo Voador - Rio de Janeiro, Brasil

Videos da banda na estrada estão disponiveis em http://www.youtube.com/user/wtofficial.

Links relacionados:
http://www.within-temptation.com
http://www.facebook.com/wtofficial
http://www.myspace.com/withintemptation
http://www.youtube.com/wtofficial
https://twitter.com/WTofficial
http://darkdimensions.com.br
http://theultimatepress.blogspot.com

Serviço São Paulo
Data: 11/02/2012
Local: Espaço Victory
Endereço: Rua Major Angelo Zanchi, 825 - Penha - ao lado da estação de Metrô
Hora: 20h30 (abertura da casa às 18h30)
Ingressos: 1° lote: R$ 80,00 (pista estudante) e R$ 100,00 (pista promocional)
2° lote: R$ 1000,00 (pista estudante) e R$ 120,00 (pista promocional)
Pontos de venda: Profecias e Rockland (Galeria do Rock)
Venda online: http://darkdimensions.webstorelw.com.br
Imprensa: (13 9161.6267 - http://theultimatepress.blogspot.com/



Serviço Rio de Janeiro
Data: 13/02/2012
Local: Circo Voador
Endereço: Rua dos Arcos, s/n - Lapa
Abertura da casa: 19h
Início do show: 20h
Censura: 18 anos
12 a 17 anos: entrada permitida acompanhado de responsável legal (pai, mãe ou irmãoo maior), mediante apresentação de documento oficial (e original) com foto
Ingresso estudante/promocional (com 1kg de alimento): R$ 80,00
Venda online: http://www.ingresso.com
Pontos de venda em http://www.overload.com.br/eventos_wt.html.
Informações: (21) 2533-0354

'Bebia quase 5 litros de vodca por dia', diz ex-Guns N' Roses.

Há 17 anos, aos 30 anos de idade, o ex-baixista do Guns N' Roses Duff McKagan foi parar no hospital com uma crise de pancreatite aguda induzida pelo consumo excessivo de álcool.


Seu pâncreas, do tamanho de uma bola de rúgbi, estava tão inchado que se rompeu, liberando enzimas da digestão em seu corpo e provocando queimaduras de terceiro grau.
Naquele momento, McKagan entendeu que teria de escolher entre um estilo de vida regado a álcool e drogas e a vida. "Me vi cada vez mais próximo da insanidade à medida que piorava a minha ingestão de bebidas e drogas", disse McKagan à BBC.
"Felizmente para mim, meu pâncreas não aguentou, caso contrário eu teria me afogado em vômito", contou. A dor era tão insuportável, disse McKagan, que ele chegou a implorar ao cirurgião que o matasse.
"Quando me deram morfina e a dor não foi embora, compreendi que a situação era muito séria. Eles fizeram um ultrassom, meu pâncreas estava imenso. O cirurgião disse que eles teriam de cortar um pedaço do meu pâncreas e foi nesse momento que eu disse: 'me matem'".
"Fiquei no hospital duas semanas e isso me deu tempo para realmente pensar em como tinha chegado àquele ponto".
Bom filho
Além dos médicos lhe dizendo que ele morreria se não parasse de beber, a ideia de ficar bem para agradar a mãe foi o incentivo final para que McKagan finalmente ficasse sóbrio.
"Sou o último de oito filhos, minha mãe veio ao hospital. Ela tinha (mal de) Parkinson e seu filho mais jovem estava em um hospital com tubos entrando e saindo dele. Eu estava à beira da morte e sabia que a ordem das coisas estava absolutamente errada. Pensei, vou ficar bom, nem que seja pela minha mãe. Vou tentar ser um bom filho. Assim começou minha recuperação".
Em 1986, os integrantes dos Guns N' Roses viviam em um apartamento alugado de um quarto, sem dinheiro. Um ano depois, seu álbum de estreia estourou nas paradas e a vida do grupo se transformou.
McKagan disse que não existia um manual para ensinar a ele e aos parceiros como lidar com essa mudança repentina de estilo de vida. Ele começou a beber porque achava que isso ajudaria a evitar os ataques de pânico que ele sofria desde a adolescência.
McKagan disse que, no pico do seu consumo, bebia "um galão (4,5 litros) de vodca por dia". Depois, passou a beber dez garrafas de vinho por dia "quando estava tentando dar uma diminuída".
Ele não culpa o rock pelo vício, mas disse que por causa do imenso sucesso da banda, não havia "tempo para que lidasse com a minha síndrome do pânico, que na verdade estava na raiz do meu consumo e automedicação".
Sede de Água
Após seu pâncreas ter voltado ao tamanho normal e ele ter recebido alta do hospital, McKagan não foi para uma clínica. Começou a praticar ciclismo de montanha.
"Nos primeiros meses eu ainda tinha as tremedeiras e não conhecia ninguém sóbrio, então andava de bicicleta", contou. "No começo parecia autoflagelação, estava punindo a mim mesmo por ter decepcionado minha mãe e alguns dos meus amigos".
"Mas também comecei a me sentir inteiro, eu estava bebendo água pela primeira vez, eu literalmente não bebia água há dez anos. Comecei a comer comida saudável e a ler livros".
O músico também começou a encontrar extratos bancários do tempo dos Guns N' Roses no seu porão, coisas que ele não entendia mas tinha vergonha de perguntar.
Isso foi mais um incentivo para que ele mudasse. McKagan decidiu que queria aprender sobre finanças. "Eu tinha 30 anos, estava sóbrio e milionário, não sabia o que era uma ação ou um bônus e não confiava em ninguém na minha indústria. Então fui fazer aulas em um colégio comunitário".
Interessado na vida acadêmica, o músico se matriculou na Seattle University. Um grande passo para alguém que não tinha completado o ensino médio.
Hoje ele escreve uma coluna regular na revista Playboy chamada Duffonomics, fundou sua própria empresa de administração de bens e ajuda músicos com suas finanças.
Entretanto, ele também diz que os Guns N' Roses não poderiam ter feito a música que fizeram sem o estilo de vida que os acompanhava. "Tivemos que ir aos extremos para criar aquelas canções. Nosso primeiro disco era todo sobre a vida que estávamos levando".

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Bruce Dickinson inaugura simulador de vôo .

O vocalista do Iron Maiden, Bruce Dickinson, inaugurou um simulador de vôo no “London’s Heathrow Airport” e está oferecendo aulas, mas apenas para membros do fã clube da banda.

Em sua pré-estreia, Bruce comentou: “Não posso esperar para sentar no simulador com fãs e dividir a emoção de como é realmente voar em uma aeronave modena como o ‘Flight 666′ e todos os desafios que isso implica”.

Confira abaixo um video com algumas das aulas deste mês.

Beach Boys volta à ativa com Brian Wilson.

O Beach Boys anunciou o retorno à ativa com todos os integrantes remanescentes da formação original da banda, para o aniversário de 50 anos do grupo. Em vídeo publicado na última quinta, 15, a banda anunciou também um disco de inéditas e uma turnê mundial, ainda sem detalhes divulgados.


As imagens registradas no clipe são de "Do It Again", canção gravada em meados deste ano em Los Angeles, quando a banda se reuniu novamente pela primeira vez em 20 anos. “Até os engenheiros de som veteranos ficaram emocionados”, conta Al Jardine. “Nem todos estamos aqui, mas há gente suficiente para que essa vibração apareça.”

Al Jardine, Brian Wilson, Bruce Johnston, David Marks e Mike Love fazem parte da reunião; Carl e Dennis Wilson morreram em 1983 e 1998, respectivamente.

Smashing Pumpkins diz que novo álbum é o melhor em 16 anos.

O líder do Smashing Pumpkins, Billy Corgan, disse que o próximo álbum, Ocenia, é o melhor trabalho da banda em 16 anos. As informações são do site da revista músical NME.


Em entrevista para Stereogum, Corgan afirmou que o disco, esperado para chegar às lojas no começo de 2012, é o trabalho mais forte desde o clássico Mellon Collie & The Infinite Sadness, de 1995.
"Faz muito tempo que eu não faço um disco no qual 50 pessoas que escutaram dizem: 'este é um grande álbum'. Eu não escuto isso desde MellonCollie", explicou. "Faz 15, 16 anos que não sinto 'ok, agora você fez um bom disco'".
Corgan também comparou o novo disco com os recentes trabalhos, como Zeitgeist, de 2007. "É a primeira vez que você realmente pode me ouvir escapando da antiga banda. Eu não estou reagindo contra ou a favor ou na sombra disso".
Em setembro, o líder do Smashing Pumpkins disse que o lançamento de Oceania seria o momento de sucesso ou término da banda. Ele explicou que o grupo teria que parar e analisar onde estão indo se o disco não fosse bem aceito.

Red Hot Chili Pepers agita Madrid com turnê de 'I'm With You'.

O Red Hot Chili Pepers agitou o público espanhol com o show da turnê I'm With You no último sábado (17), no Palacio de los Deportes de Madrid.


Apresentando sucessos de mais de 28 anos de banda, Anthony Kieds e o baixista Flea não economizaram energia em músicas como Give It Away, Under The Bridge e Scar Tissue.
A banda californiana esteve no Brasil em setembro deste ano, apresentando-se em São Paulo e no Rio de Janeiro.

CD da Semana Hellyeah - Stampede!!!

Stampede is the second studio album by American heavy metal supergroup Hellyeah. The album was available on June 29 as an MP3 download to fans who pre-ordered it. The music video for "Cowboy Way" premiered on May 20, 2010. The first single, "Hell of a Time", was released on June 1, 2010. The music video for "Hell of a Time" premiered on June 16, 2010.[1] The song, "The Debt That All Men Pay" premiered on ultimateguitar.com on June 22, 2010.[2][3][4] The album debuted at #8 on the Billboard 200, making it their highest-charted album to date.



sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Lupaluna 2012 confirma Concrete Blonde e Gene Loves Jezebel.

As primeiras atrações do Lupaluna 2012 já estão confirmadas: as bandas internacionais Concrete Blonde e Gene Loves Jezebel. O maior festival de música do Paraná e um dos maiores do Brasil será realizado nos dias 18 e 19 de maio, no BioParque, em Curitiba.


A quarta edição do evento realizado pelo Grupo Paranaense de Comunicação (GRPCOM) já tem a renovação do patrocínio da Caixa Econômica Federal e da Coca-Cola (Spaipa). Com uma megaestrutura montada no BioParque, um espaço verde com 52 mil metros quadrados, seis lagos e área de mata preservada, o Lupaluna se consolida como um grande evento que reúne os principais nomes do pop-rock e conta ainda com a participação de artistas consagrados da MPB, do rock alternativo e da música eletrônica.




A banda inglesa Gene Loves Jezebel e a norte-americana Concrete Blonde, liderada pela baixista e vocalista Johnette Napolitano, estarão no palco principal LunaStage, no dia 18 de maio. Em breve serão anunciadas algumas das atrações que vão se apresentar nos outros dois palcos do Lupaluna: o EcoMusic - destinado a artistas da nova MPB e bandas de rock alternativo e o EletroLuna – para o melhor da música eletrônica.

Courtney Love pode ser despejada de sua casa em Nova York.

Courtney Love está sendo despejada de seu lar em Nova York, depois que a proprietária a acusou de estar destruindo a casa e dever US$ 50 mil (R$ 92 mil) em aluguel. As informações são do site da revista musical NME.


A viúva de Kurt Cobain está alugando a casa há dez meses, mas a dona, Donna Lyon, apresentou na corte de Nova York um pedido de despejo. O caso será analisado na próxima quarta-feira (21).
"A casa foi decorada pelo proprietário anterior, o decorador de interiores Steven Gambrel. Uma das exigências para a locação foi que nada deveria ser feito na casa", disse Donna ao jornal New York Post. "Courtney colocou papel de parede e pintou grande parte da propriedade sem meu consentimento. Eu descobri isso quando queria vender o imóvel e mandei tirar umas fotos".
"Agora as paredes que eram pintadas a mão estão cobertas de papel de parede damasco e pintadas de azul-bebê", continuou a proprietária.
Courtney, que esteve no Brasil em novembro com sua banda Hole para o SWU, não foi encontrada pelo jornal nova-iorquino para comentar sobre o caso.

Noel Gallagher se apresentará com Red Hot Chili Peppers.

Noel Gallagher fará show com a banda Red Hot Chili Peppers em Dublin, na Irlanda. O ex-integrante do Oasis se apresentará ao lado da banda de Anthony Kieds em 26 de junho de 2012. As informações são do site NME.


O show acontecerá no Croke Park, e ainda não foi divulgado se Noel estará na turnê em Los Angeles.
Red Hot Chili Peppers se apresentou no Brasil durante o Rock'n'Rio. Gallagher está se preparando para uma turnê em fevereiro pelo Reino Unido.

Foo Fighters planeja novo álbum para 2012.

A banda Foo Fighters confirmou que planeja entrar em estúdio em 2012 para gravar um novo álbum. O último lançamento da banda foi Wasting Light em abril deste ano. As informações são do site NME.
O vocalista e guitarrista Dave Grohl anunciou em seu blog oficial que já començou a juntar ideias para novas músicas. "Nós não acabamos. Temos mais shows para fazer, mais músicas para escrever, mais álbuns para gravar, muitos anos pela frente. Se, 17 anos atrás, alguém tivesse me dito que em 2012 eu estaria escrevendo músicas para o nosso oitavo álbum, bem...", escreveu Grohl.


A banda foi recentemente indicada em seis categorias no Grammy, inclusive Álbum do Ano por Wasting Light. A premiação acontece em 12 de fevereiro de 2012.
O Foo Fighters vem ao Brasil em abril de 2012 para se apresentar no festival Lollapalooza, que acontece no Jockey Club, em São Paulo.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Nova parceria a banda TOXN!!!



TOXN banda de thrash metal curitibana formada em 1995,  que conta em sua formação: Lando Odávilas - Bass (ex-Toxic Waltz), Kaled Sahker - Guitars, Antonio Death - drums(Imperious Malevolence) e Acram Sahkr - Vocal .Com novo Cd com previsão de lançamento 1°  semestre de 2012.
Nessa sexta tem show:



Motörhead lança sua própria vodka, que deve ter distribuição mundial.


Produzida na Suécia, a vodca do Motörhead tem 40% de volume alcoólico. Uma garrafa de 700 ml custa o equivalente a 60 dólares.
1323546031_motorheadvodka
Inicialmente o produto está à venda apenas em sua região de fabricação ou pela internet neste site. Mas já se negocia distribuição mundial.

Dave Mustaine se junta ao Metallica na comemoração de 30 anos.

A notícia foi dada pelo Facebook oficial do Megadeth, e agora já pode ser encontrada no site oficial www.megadeth.com. Eles irão tocar cinco músicas juntos: "Hit The Lights", "Metal Militia", "Phantom Lord", "Jump In the Fire", e "Seek And Destroy". Provavelmente, será possível assistir a vídeos da apresentação amanhã no YouTube.


Junto com Dave Mustaine, é possível a presença do Black Sabbath junto com o Metallica.
Além dessa maravilhosa notícia, David Ellefson (baixista do Megadeth) revelou em uma entrevista que Dave Mustaine tem um projeto em mente, que contaria com a participação de Lars Ulrich (baterista do Metallica) e James Hetfield (frontman do Metallica) e o próprio Ellefson no baixo. Nada sobre foi confirmado.
O Metallica lançou nesta semana um EP intitulado "Beyond Magnetic", que contém faixas que não entraram para o Death Magnetic.
Nós, como fãs, esperamos que seja lançado um dvd desses quatro dias comemorativos no The Fillmore em São Francisco na Califórnia. Já participaram da comemoração Jason Newsted (ex-baixista do Metallica), Rob Halford (vocalista do Judas Priest) e Glenn Danzig (vocalista do Danzig).

Fonte: Site oficial do Megadeth/ROCK BRIGADE

Brian May: "jamais seremos o mesmo Queen".

O guitarrista Brian May admitiu que ele e o baterista Roger Taylor jamais serão o Queen de verdade. Ele disse que fica em dúvida se é posível dizer que eles são a mesma banda, já que estão sem o cantor Freddie Mercury, morto em 1991, e o baixista aposentado John Deacon. As informações são do site NME.


May disse que os dois continuam sendo chamados para fazer apresentações e que agora a vantagem é que podem interagir com as pessoas de forma diferente. "Por um lado ainda somos o Queen, mas por outro nunca mais seremos", afirmou Brian.
Com a banda comemorando 40 anos, surgiram rumores de que eles poderiam se reunir para uma série de apresentações com diferentes artistas. Na semana passada, noticiou-se que eles estariam negociando com Adam Lambert, cantor revelado no programa American Idol, para alguns shows juntos. Também especulou-se sobre uma parceria da dupla com Lady Gaga.

FESTAS DE FIM DE ANO? PRESENTEIE COM PRODUTOS MOTOROCKER!

Salve, bugrada!

Já garantiu seu kit "Cerveja Motorocker"? Que tal dar ele de presente
neste final de ano?

Este kit inclui um boné bordado, uma taça importada estilo dublin, uma
cerveja Motorocker e caixa decorada. O preço é de R$50. E agora tb é
possível adquirir os itens separados!

Veja fotos dele e dos demais produtos no link: http://migre.me/5WOW3 .

Meios de compra do kit, camisetas, bonés, etc:
motorloja@motorocker.com.br ;
http://www.lojav8.com/motorocker.html (aceitamos todos os cartões) ;
Espaço Diecast - Rua Professor Álvaro Jorge, 371 - Vila Izabel -
Curitiba - PR. (41) 3524 0500. Das 14 as 20 horas de segunda a sexta.

Confiram tb nossa agenda: http://www.motorocker.com.br/AgendaNew.aspx

Abraços!

www.motorocker.com.br
facebook.com/236846628504

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

The Stones Roses assina com gravadora para lançar novo álbum.

Segundo informações do site Gigwise, o retorno do The Stone Roses, após 15 anos, não vai se limitar a apenas alguns shows durante o verão no hemisfério norte. A banda assinou contrato para lançar um novo álbum.


"The Stone Roses tem o prazer de anunciar que assinou contrato com a Universal Music em Londres, e a Columbia Records em Nova York, para o lançamento de um novo disco", confirmou um porta-voz do grupo.
Recentemente, o vocalista Ian Brown revelou que gravou novas músicas durante os ensaios para os shows de retorno do Stones Roses, que estão agendados para alguns festivais europeus.

domingo, 11 de dezembro de 2011

CD da Semana Ray Charles - Rare Genius!!!

O CD Ray Charles – Rare Genius Este projeto traz as raridades gravadas por Ray ao longo da carreira e veio com a intenção de homenagear os 80 anos que ele completaria no dia 23 de setembro. O som gospel “Why Me, Lord?” (composto por Kris Kristofferson) é o grande destaque do album. Dueto de Ray com Johnny Cash, gravado pela dupla em 1981, mas que por razões desconhecidas, nunca foi lançado.


CD RAY CHARLES – RARE GENIUS

MÚSICAS DO CD RARE GENIUS – RAY CHARLES

CD Ray Charles – Rare Genius

Faixas do CD Rare Genius / Lista das Músicas:

1. Love’s Gonna Bite You Back
2. It Hurts To Be In Love
3. Wheel Of Fortune
4. I’m Gonna Keep on Singin’
5. There’II Be Some Changes Made
6. Isn’t It Wonderful
7. I Don’t Want No One But You
8. A Little Bitty Tear
9. She’s Gone
10. Why Me, Lord? (feat Johnny Cash)

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Agenda Motorocker!!!



11/12/2011 - SÃO JOSÉ DOS PINHAIS/PR - Domingo Solidário

Usina da Música
Rua Verissímo Marques
41 8512-3733

Agenda Velhas Virgens!!!

Hoje tem show de 25 anos das Velhas,pela primeira vez em Aracaju - SE.
O show acontece na Praça de Eventos do Mercado Municipal de Aracaju!
Imperdível!!!

Agenda HillBilly RawHide!!!

Hoje tem HillBilly no Sheridans e amanhã no Elvis Costela.
Não percam!!!

Frontman do Korn diz que Obama é “uma marionete dos Illuminati”.

O frontman do Korn, Jonathan Davis, falou mal do presidente norte-americano Barack Obama, chamando-o de "marionete dos Illuminati" em uma nova entrevista. "Ele basicamente afundou o país e o deixou na pior forma que já esteve”, Davis disse à revista Billboard. "É o que digo sobre a Casa Branca, 'você construiu essa casa da vergonha.' Todo mundo admirava a Casa Branca e os Estados Unidos e agora acho que é a casa da vergonha. Sinto falta dos velhos tempos, quando as pessoas tinham orgulho de serem norte-americanos."


O assunto Obama surgiu na conversa com Davis quando ele falava da nova música do Korn, "Illuminati", que está no disco mais recente do grupo, Path of Totality. As faixas de seu décimo disco mostram os roqueiros do nü-metal experimentando com dubstep e drum and bass com o produtor convidado o DJ Skrillex.

Mick Jagger e Keith Richards pagarão as despesas do funeral de Hubert Sumlin.

O funeral do grande nome do blues de Chicago Hubert Sumlin, o guitarrista de longa data do Howlin' Wolf que morreu no último domingo, 4, aos 80 anos, será pago por Mick Jagger e Keith Richards, dos Rolling Stones. A parceira de Sumlin, Toni Ann, postou a notícia online. "Deus abençoe os Rolling Stones", ela escreveu.


Os Stones há muito tempo reconhecem o quanto devem a Sumlin, que foi posicionado como o número 43 na lista da Rolling Stone EUA dos 100 maiores guitarristas.

Richards tocou no álbum de 2006 de Sumlin, About Them Shoes. "Hubert era um músico de blues incisivo, mas ao mesmo tempo delicado", Jagger disse. "É uma perda irreparável para o Howlin' Wolf … Ele era uma inspiração para todos nós.”

Sumlin será enterrado em uma cerimônia fechada em Homewood, no estado do Illinois, no dia 13 de dezembro. Um velório aberto ao público acontecerá no dia 11 e haverá uma cerimônia religiosa no dia seguinte, na Festa Memorial Funeral Home, em Totowa, Nova Jersey.

Fãs homenageiam John Lennon em seu 31ª aniversário de morte.

Dezenas de nova-iorquinos e turistas foram nessa quinta-feira (8) ao Central Park, no coração de Nova York, para prestar homenagem a John Lennon no dia em que se completam 31 anos desde que um fã perturbado tirou a vida do ex-beatle.


Lennon foi assassinado em frente ao edifício Dakota, onde morava com Yoko Ono e a apenas alguns passos do Central Park.
Strawberry Fields, essa área do pulmão de Nova York onde há um mosaico com a palavra Imagine, título da lendária canção composta por Lennon, voltou a ficar cheia de flores e de fãs que entoaram músicas para lembrar o artista de Liverpool.
Yoko Ono, por sua vez, usou o Twitter para convidar os admiradores do ex-beatle a deixarem mensagens e homenagens no site ImaginePeace.com, por onde já passaram cerca de 1 mil pessoas.
Coincidindo com o 31º aniversário do assassinato de Lennon, a revista Time publicou nessa quinta-feira (8) em seu site oito fotografias até agora inéditas de um de seus famosos protestos pacíficos "bed-ins" ("na cama"), protagonizado pelo artista em um hotel de Montreal (Canadá) em 1969.
Lennon morreu em 8 de dezembro de 1980 após levar cinco tiros de um perturbado fã em frente à sua residência, no bairro de Upper West Side.
O assassino confesso, Mark David Chapman, cumpre desde 1981 uma condenação na prisão de segurança máxima de Attica, em Nova York, após várias tentativas frustradas de obter liberdade condicional.

Ex-Manowar sobre morte de baterista: "poderia tê-lo vigiado mais".

Bastante emocionado, o guitarrista Ross the Boss, co-fundador do Manowar, falou pela primeira vez a um veículo de imprensa sobre a morte de seu ex-colega de banda, o baterista Scott Columbus, morto em abril. Ao Terra, o músico, que toca no Brasil pela primeira vez nesta quinta (8), sexta (9) e sábado (10) - respectivamente, em Campinas, São Luís e São Paulo -, afirmou que os últimos anos de vida dele foram bastante problemáticos devido ao abuso de "substâncias e da bebida" e lamentou não ter tido mais condições de ajudá-lo.


"Infelizmente, eu vivo na cidade de Nova York e Scott vivia do outro lado do Estado. Uma distância de mais ou menos 700, 800 km. Se eu o tivesse na minha vizinhança, poderia tomar mais conta dele ou vigiá-lo um pouco mais", disse o músico de 57 anos, explicando ter tentado de todas as formas ao seu alcance resgatar o bem-estar do amigo.
"Eu fui atrás dele, fui o cara que quis levá-lo de volta à estrada, colocando-o para tocar de novo em um verdadeiro set de bateria. Quem sabe, essa volta ao mercado musical pudesse fazer estalar algo em sua cabeça, fazê-lo se animar um pouco", comentou. "Infelizmente, quando ele voltava para casa (dos shows), aqueles "demônios" continuavam o chamando, sabe?".
A entrevista não ficou limitada às lembranças e dificuldades de Scott. De fato, em uma conversa bastante reveladora, Ross comentou assuntos delicados em relação à sua ex-banda e surpreendeu ao dizer que era contra a postura "arrogante" - os integrantes do Manowar se autodenominaram os "reis do metal" - de seus ex-colegas, mais especificamente, de Joey DeMaio, líder do quarteto. "Eles não ouviam minhas sugestões. O Joey fazia o que queria e eu tentava fazer minhas coisas. Por mais que eu falasse, ele fazia tudo do jeito dele", afirmou, criticando os teatrais discursos da banda contra outros estilos e o tempo perdido em shows com demonstrações técnicas de seus instrumentistas.
"Odeio solos, odeio discursos e não acho que os fãs comprem ingressos para isso. Tenho certeza de que, se você fizer essa pergunta para qualquer fã, ele dirá, 'sem solos e sem discursos'. Eu prefiro dar a eles o que realmente querem".
A uma semana das apresentações que fará no País com sua banda solo, Ross contou ainda detalhes de seus shows, falou sobre a crise no mercado fonográfico e disse qual é o seu segredo para continuar lutando por sua música.

Confira a íntegra da entrevista a seguir.

Terra - Por que você demorou tanto para começar sua própria banda, seu primeiro trabalho, por assim dizer, solo?

Ross the Boss - Boa pergunta. Foram vários os motivos: não era a hora certa, eu não sentia ter as pessoas ideais para realizar esse projeto ou, mesmo, eu conhecia as pessoas certas, mas não calhava de conseguirmos tempo para nos juntar simultaneamente. Mas, quando eu conheci os garotos que fazem parte da minha banda atual, soube que era o momento. Mesmo assim, ainda demorou para começarmos de fato a tocar. Estávamos ocupados com outros projetos. Eu, no caso, com o papel de pai, gravações de discos de outros artistas, tanto em estúdio quanto em produção, além de ter tocado com o The Dictators (banda de punk rock que fundou na década de 1970). Eu senti que, quando fosse acontecer, seria por uma razão e, quando conheci esses caras, sabia que acabaríamos tocando juntos.

Terra - O que seus fãs podem esperar de seus shows aqui no Brasil?

Ross - Como costumamos dizer no mercado, nós iremos "descer o martelo" (risos). Tocaremos uma boa seleção de músicas de meus dois álbuns, New Metal Leader e Hellstorm, e, claro, minhas pérolas do Manowar.

Terra - Apesar de o Manowar ter vindo ao País três vezes, em todas as oportunidades você já não fazia parte do line-up da banda. O Brasil é bastante elogiado por músicos de heavy metal, assim como por grupos de outros estilos em geral. Qual é a sua expectativa de vir para cá?

Ross - Bem, eu sinto muita paixão. Eu sei que as pessoas são muito apaixonadas pelo que fazem, seja dentro do samba, dos festivais, do Carnaval, ou em qualquer outra coisa que vocês tenham por aí. Tenho consciência de que, quando o brasileiro se envolve com algo, faz isso de forma muito passional.

Terra - Após mais de 30 anos no meio, como você vê o mercado de heavy metal atualmente?

Ross - Bem, eu acho que o mercado de heavy metal está indo bem. Quer dizer, todas as bandas estão tocando, sabe? O Black Sabbath, o Judas Priest, o Iron Maiden...o rock´n´roll está ok também: muitas novas bandas surgindo, muita energia nova. Ao mesmo tempo, o mercado fonográfico, como um todo, está terrível. Nos EUA, pelo menos, o negócio de gravar e vender discos não funciona mais, afinal as pessoas estão fazendo downloads de graça e o dinheiro não está mais chegando aos artistas.

Terra - Nessa realidade, você ainda consegue viver apenas de sua música?

Ross - Bem, eu vivo muito de música, mas, para completar o orçamento, tenho uma grande loja de esportes aqui em Nova York.

Terra - Na época em que estava no Manowar, ainda nos anos 1980, no ápice do heavy metal, essa realidade era muito diferente?

Ross - Sem dúvida nenhuma, era. Naquela época, o rock´n´roll era rei e, além disso, o mercado ainda se sustentava pela venda de discos, com as gravadoras ganhando muito dinheiro. Os anos 1960, 1970 e 1980 foram ótimos para a música. As coisas simplesmente mudaram, só isso.

Terra - Você acha que o Manowar poderia ter aproveitado melhor esse ápice do rock, tornando-se, assim, uma banda maior?

Ross - Sim. Para mim, isso foi uma consequência de a banda não ter tocado suficientemente nos EUA. Sabe, nós nos recusávamos a fazer shows nas casas noturnas e clubes para os quais éramos chamados quando não podíamos utilizar todo o nosso equipamento, com todos aqueles PAs duplos que faziam parte de nosso set. Para mim, isso foi prejudicial, porque, se tocássemos mais, teríamos um número maior de pessoas nos seguindo.

Terra- Voltando aos primórdios de sua carreira. Como você migrou do The Dictators, uma banda essencialmente punk, para o Manowar? Afinal, são estilos que chegaram a ser vistos como inimigos entre seus adeptos...

Ross - Bem, em primeiro lugar, o Dictators era uma banda mais punk-metal, sabe? No nosso segundo disco (Manifest Destiny, de 1977), tínhamos no baixo Mark Mendoza, que mais tarde foi para o Twisted Sister. Quando se fala em punk, você pensa no Sex Pistols, no The Clash e em outras bandas semelhantes, e nós não éramos como eles. Por minha causa, o Dictators era mais envolvido com a música, com guitarras protagonizando todas as canções, diferente do que ocorre no punk. Então, eu o consideraria mais rock´n´roll ou street rock. Claro, nós fomos um dos quatro ou cinco grandes pais do movimento (punk), mas eu não me via como parte dele. Ter as raízes no heavy rock e tocar mais focado nesse estilo tornou fácil para mim o salto para iniciar o Manowar.

Terra - E como o Manowar se tornou o grande defensor do heavy metal?

Ross - (risos) Bem, nós sentimos que estávamos fazendo algo extremamente original e achavamos que valia a pena defender esse trabalho. O Joey (DeMaio, baixista e líder do quarteto) provavelmente daria essa resposta dizendo coisas como "morte ao falso metal" ou "bananas e posers, saiam do recinto" (risos). Sabe, eu sempre achei isso engraçado, mas ele definitivamente é sincero quando fala esse tipo de coisa.

Terra - Essa falta de humildade, talvez até certa arrogância, por parte de seus integrantes - principalmente Joey - também não teria prejudicado a popularidade da banda?

Ross - Sim, foi absolutamente negativo.

Terra - De fato, após doze anos sem tocar no Brasil, o Manowar veio ao País em 2010 e saiu de palco vaiado por não ter trazido em seu repertório nenhum grande clássico - foram executadas apenas canções de 2002 para cá. Como você vê essa postura?

Ross - Eu ouvi essa história. Sabe, as pessoas pagam para ir a um show esperando ouvir ao menos alguns clássicos e, quando não conseguem o que querem, elas têm o direito de vaiar. Pelo menos nas minhas apresentações, eu garanto que os fãs vão ter a oportunidade de ver os clássicos do Manowar.

Terra - Como estávamos falando, Joey tem um discurso preparado para todos os fatos que englobam o Manowar, algo também praticado por Eric (Adams, vocalista do quarteto). Sabendo disso, gostaria de saber de você qual foi o motivo para a sua saída da banda.

Ross - (risos) Para ser honesto com você, eu não saí do Manowar. Fui requisitado a deixá-lo.

Terra - Por quê?

Ross - Eu não sei. Desentendimentos com coisas comuns. O que eu lhe digo é que nunca deixaria a banda que criei.

Terra - E como se deu o convite para tocar com o Manowar em 2005?

Ross -
Eu não falava com nenhum deles há anos e Joey me ligou dizendo qual era a intenção do show. Sabe, nós tivemos nossas diferenças, mas, àquela altura, em 2005, as coisas já haviam se acalmado, e acabou sendo divertido.

Terra - Então você se juntaria ao Manowar se fosse chamado de volta?

Ross -
Sinceramente, isso nunca passou pela minha cabeça. Seria algo a ser pensado seriamente antes de eu chegar a uma decisão.

Terra - Há alguns anos surgiram rumores de seu retorno à banda, que passaria a contar com duas guitarras...

Ross -
Duas guitarras? Não. Eu acho que um Ross the Boss na banda é o suficiente, não concorda? O Joey decidiu que o melhor para o grupo seria que eu não fizesse parte dele, então não faço mais parte dele. Simples assim.

Terra - Scott Columbus, principal baterista da história do Manowar, estava tocando com você antes de morrer, em abril deste ano. No entanto, nada foi divulgado a respeito da causa do óbito - ele tinha apenas 54 anos. O que aconteceu com Scott?

Ross -
Bem, Scott tinha muitos problemas. Quando ele deixou o Manowar, se envolveu de forma pesada com substâncias e bebida, as coisas típicas que se ouve quando o assunto engloba músicos. Eu fui atrás dele, fui o cara que quis levá-lo de volta à estrada, colocando-o para tocar de novo em um verdadeiro set de bateria, para que as pessoas pudessem ver o quão bom ele era. Quem sabe, essa volta ao mercado musical pudesse fazer estalar algo em sua cabeça, fazê-lo se animar um pouco. Então, o levamos para os shows e as pessoas adoraram vê-lo de volta. Infelizmente, quando ele voltava para casa, aqueles "demônios" continuavam o chamando, sabe? (pausa, claramente emocionado) O que posso dizer? É ainda muito difícil falar sobre isso...

Terra - Eu sinto muito...

Ross -
Não, está tudo bem. Escute, eu amo muito o Scott e sinto sua falta (pausa)...realmente sinto. Se eu pudesse tê-lo ajudado mais, o faria. Infelizmente, eu vivo na cidade de Nova York e Scott vivia do outro lado do Estado de Nova York. Uma distância de mais ou menos 700, 800 km. Se eu o tivesse na minha vizinhança, se ele estivesse aqui, em Nova York, eu poderia tomar mais conta dele ou vigiá-lo um pouco mais...

Terra - Do que ele morreu?

Ross -
(pensativo) Coloque desta forma: talvez você não queira saber.

Terra - Você não quer falar sobre isso?

Ross -
Não posso.

Terra - Eu ouvi que ele teria cometido suicídio...
Ross -
(pausa) Não vou discordar disso.

Terra - Tudo bem. De volta ao tópico heavy metal, por que o estilo é tão mais bem-sucedido na Europa do que em outros lugares?

Ross -
Com outros lugares você quer dizer EUA?

Terra - Também.

Ross -
Bem, me parece que o estilo é mais acessível por lá. Há mais veículos voltados para o heavy metal, a base de fãs parece não morrer, as crianças se mostram mais à vontade com esse tipo de música do que as dos EUA. Sabe, elas não curtem rap, hip-hop ou coisas assim, como ocorre aqui. Nos EUA, todos só ouvem hip-hop ou Lady Gaga e, para mim, isso é simplesmente loucura.

Terra - Você gosta de algum desses artistas mais populares?

Ross -
Eu escuto muito Foo Fighters. Eles são ótimos, uma excelente banda de rock´n´roll. Que fique claro, não tenho nada contra Lady Gaga, pelo contrário, acho ela muito talentosa. Mas essas batidas pop e coisas do gênero não fazem parte do meu gosto musical.
Terra - Você não acha que Lady Gaga possui discursos muitos semelhantes aos do Manowar, no sentido de sempre se colocar no topo de seu estilo?
Ross - Eu nunca ouvi nenhum discurso dela, mas, pessoalmente, odeio discursos. Odeio, odeio! Oh, meu Deus (risos)!

Terra - Mas o Manowar talvez seja mais conhecido por seus discursos do que por sua música. Isso não lhe incomodava quando estava na banda? Você não falava nada?

Ross -
Falava (risos), mas eles não respondiam nada. O que eu quero dizer é que eles não ouviam minhas sugestões. Sabe, nós começamos a banda juntos e, ao longo dos anos...o fato é: eu estava vivendo na cidade de Nova York, eles, no oeste do Estado de Nova York. Então, não estávamos juntos o tempo todo. Logo, Joey fazia o que queria e eu tentava fazer minhas coisas. Isso foi há muito tempo, lá nos anos 1980. As coisas eram muito diferentes e, por mais que eu falasse, ele fez o que queria, sabe? Fez sua aposta. Pessoalmente, eu prefiro tocar duas canções a ouvir qualquer discurso ou solo. Odeio solos, odeio discursos e não acho que os fãs comprem ingressos para isso. Tenho certeza de que, se você fizer essa pergunta para qualquer fã, ele dirá, "sem solos e sem discursos" (gargalhadas). E eu prefiro dar a eles o que realmente querem.

Terra - Você soa um tanto ressentido quando fala do Manowar. Sente-se chateado pelo fato de ter sido demitido da banda?

Ross -
Chateado? Não sei. Sabe, isso foi há tanto tempo na minha vida. Faz 23, 24 anos. Mas, no geral, houve muito divertimento, e eu prefiro lembrar apenas dessa parte. Lembro-me das coisas boas, pois se ficasse me concentrando nas ruins, nada teria feito sentido. Nós fizemos muitas coisas ótimas e é delas que me lembro.

Terra - Você está com quase 60 anos. O que o leva a seguir tocando heavy metal?

Ross -
Oh, por favor, você sabe minha idade? Meu Deus! Eu realmente farei 58 anos em janeiro e, escute-me, eu continuarei tocando, tocando e tocando. Amo fazer isso. Quando for o momento de parar, o farei.

Serviço - São Paulo
Data: 10 de dezembro, sábado Horário: 18h
Local: Manifesto Bar
Endereço: Rua Iguatemi, 36, Itaim Bibi - São Paulo/SP
Fone: (11) 3168-9595
Censura: 16 anos Convênio com Estacionamento (Rua Joaquim Floriano, 1137)
Acesso a deficientes / ar condicionado

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Metallica toca com Jason Newsted no aniversário de 30 anos da banda.

Fãs do Metallica vieram de todo o mundo – representando locais tão distantes como Finlândia e Chile – para uma celebração de seis horas no Fillmore, casa de shows em São Francisco, na última segunda, 5, em homenagem ao aniversário de 30 anos da banda. O evento teve diversos convidados especiais, incluindo uma aparição do ex-baixista da banda, Jason Newsted.




Na foto ao lado, James Hetfield aparece em show no Rock in Rio

O show em São Francisco, primeiro dos quatro que irão acontecer esta semana, começou com um tributo da big-band de jazz Soul Rebels. O conjunto de Nova Orleans reinterpretou clássicos do Metallica, incluindo “Enter Sandman” e “One”.

Para ir ao evento, era preciso ser sorteado pelo fã-clube, e a maioria das pessoas havia viajado uma grande distância. Imediatamente após chegar ao local, era claro que este não era apenas mais um show do Metallica: era algo especial. A banda literalmente transformou a área em seu próprio salão de festas, com o Fillmore Poster Room servindo como um museu de artes improvisado do Metallica, com instrumentos e pertences da banda.

O frontman James Hetfield e o baterista Lars Ulrich entraram previamente no palco para explicar os procedimentos: “Se vocês ainda não sabem, o Metallica está fazendo uma festa, com todos vocês convidados”, disse Hetfield. Ele passou o microfone para o comediante Jim Breuer, que apresentou uma espécia de game show com a plateia.

Logo depois, a Apocalyptica, companhia de cello de Helsinki, conhecida por reimaginar músicas do Metallica nos cellos, fez um set com seus arranjos, incluindo “Master of Puppets” e “Nothing Else Matters”.

Como Hetfield avisou, este não era um show do Metallica – era uma festa do Metallica. Ulrich casualmente passeou pelo público um pouco, interagindo com os fãs, enquanto outros gravaram mensagens para a banda em um estande. Enquanto isso, vídeos de amigos do grupo foram projetados em um grande telão, incluindo nomes como Slipknot, Scorpions e Kid Rock, além de figuras como David Fricke, da Rolling Stone EUA, o chef celebridade Guy Fiery e a dupla Beavis and Butt-Head. O U2 também filmou um pequeno esquete mostrando os integrantes em uma sessão de terapia, satirizando o documentário de 2004 do Metallica, Some Kind of Monster.

Em uma parte tocante da noite, Hetfield e o guitarrista Kirk Hammett deram as boas vindas a Ray Burton, pai do ex-baixista do Metallica, Cliff Burton, que subiu ao palco para contar histórias que seu filho compartilhou com ele um dia, sobre como era estar na banda. Cliff morreu tragicamente em um acidente de ônibus na Suécia, em 1986.

E então, finalmente, lá estava a atração principal: o próprio Metallica. Subindo ao palco para as três últimas horas do encontro, Hetfield contou com orgulho à audiência: “Esta é nossa festa. Nós somos os principais. Nós vamos tocar. As portas estão fechadas. Vocês não podem escapar.”

Houve momentos memoráveis, com o quarteto tocando algumas músicas ao vivo pela primeira vez, raridades e muitos convidados especiais. A banda parecia relaxada como se estivesse em um ensaio, brincando uns com os outros assim como com a público, geralmente baixando a guarda. Ulrich até brincou que a banda iria tocar sua nova e criticada colaboração com Lou Reed, Lulu, “na íntegra”. Em vez disso, eles tocaram “Carpe Diem Baby”, do disco ReLoad (1997), seguida de outra estreante, “Hate Train” – uma sobra inédita de Death Magnetic (2008). De acordo com Hetfield, a versão de estúdio estará disponível “em algum período da semana que vem” no iTunes.

Foi mostrada ainda uma cover em versão acústica de “Please Don't Judas Me”, do Nazareth. E, em uma atitude que lembrou o Green Day, eles convidaram um membro da plateia (“John, de Chicago”) para subir ao palco e dividir as guitarras com eles em “Wherever I May Roam”.

Depois disso, a noite se transformou em uma exibição de convidados especiais, cada um representando algo significativo no passado do Metallica. Começou com John Marshall, da banda Metal Church – que estudou no colégio com Hammett e tocou guitarra no lugar de Hetfield, quando ele estava lesionado. Marshall apresentou “Sad But True”, de Metallica (também conhecido como “Álbum Preto"), com a banda.

Entre os convidados estiveram membros do Diamond Head (que, como Ulrich explicou, inspirou ele diretamente a formar o Metallica); o cantor Biff Byford, do Saxon (cujo show o Metallica abriu na sua segunda apresentação da história, no Whiskey A Go-Go, em Los Angeles) e a já citada Apocalyptica.

Mas, de longe, o convidado mais especial de todos foi o baixista Jason Newsted, que deixou a banda abruptamente em 2001. Hetfield o introduziu como “alguém que viveu conosco, viajou conosco e fez coisas conosco por 14 anos”. Após tocar “Harvester of Sorrow” (junto com seu substituto, o atual baixista Robert Trujillo), Hetfield pediu a ele que ficasse para mais uma música. Newsted aceitou, apresentando “Damage Inc.” para um local repleto de fãs muito felizes.

“Estamos muito agradecidos”, disse Hetfield ao final do evento, quando eles trouxeram todos os convidados da noite para uma apresentação coletiva de “Seek and Destroy”. A honestidade de Hetfield era aparente e, de fato, com toda a fanfarra, nostalgia e velhos truques de salão que a banda exibiu na segunda à noite, essa foi uma das noites mais honestas da carreira Metallica. E isto vindo de uma banda que, certa vez, permitiu um documentário sobre si mesma no meio de um colapso emocional.

Mais cedo durante a noite, Breuer comentou que “não há outra banda no mundo – nem os Rolling Stones ou o Van Halen – que trataria os fãs da maneira que vocês estão sendo tratados esta noite”. E ele pode estar certo. Hetfield realmente deixou tudo em casa quando estava simplesmente tentando matar o tempo durante uma passagem no palco: “Somos todos amigos aqui, certo?”. Ele perguntou. “Bom, agora somos.”